27.7.06

GIVENCHY


Givenchy é mais do que um estilista, é uma lenda. Seu nome está atrelado à sofisticação e ao requinte, ao corte perfeito, ao equilíbrio, acima de tudo. A extrema elegância sempre foi a principal marca das criações clássicas de Hubert de Givenchy, um francês reconhecido mundialmente por seu trabalho coerente e requintado, e cuja marca é sinônimo de luxo. Casual chique, elegância aristocrática e feminilidade, tudo combinado no mundo atemporal da grife GIVENCHY. 

A história 
O estilista Hubert James Taffin de Givenchy (foto abaixo) nasceu no dia 21 de fevereiro de 1927 na pequena cidade francesa de Beauvais. Filho do marquês Lucien Taffin de Givenchy e de Béatrice de Givenchy, seu avô dirigia uma oficina de tapetes na cidade. Muito cedo ele já demonstrava seu interesse pela moda. Aos dez anos, quando foi visitar uma exposição de figurinos dos mais famosos estilistas franceses, ele se identificou imediatamente com o universo luxuoso da alta-costura, contrariando o sonho de seus pais, que queriam vê-lo ser um advogado. Não houve tempo para cursar direito. Aos 17 anos ingressou na Escola de Belas Artes de Paris e trabalhou como assistente com grandes nomes da moda como Jacques Fath, Robert Piguet, Lucien Lelong, Pierre Balmain e, mais tarde, em 1949, foi braço direito de Elsa Schiaparelli. Esse contato direto com grandes mestres propiciou toda a experiência necessária para que ele pensasse em abrir seu próprio negócio.


Foi então que o estilista, no dia 2 de fevereiro de 1952, aos 24 anos de idade, inaugurou sua própria Maison, localizada no número 8 da Rue Alfred de Vigny, na Monceau Plain, a oeste de Paris. E o reconhecimento foi quase imediato, fazendo soprar um vento de renovação, adaptado às novas exigências das mulheres elegantes, após anos de um monopólio quase absoluto de Dior e seu New Look. Muitas das criações de Givenchy eram feitas com tecido de camisaria. Em sua primeira coleção apresentou a blusa Bettina, uma homenagem à modelo Bettina Graziani, nome da sua principal diva e também relações públicas da marca alguns anos mais tarde, e que foi uma de suas criações de maior sucesso. A blusa tinha a gola larga e aberta, e mangas que terminavam em babados de bordado inglês. Com este sucesso, a fama de Givenchy se consolidou. Também fez muito sucesso com a criação de peças independentes e coordenáveis - pois, até então, blusas e saias (ou calças) só podiam ser usadas como um conjunto - e com as suas famosas blusas de tecidos de camisas. No ano seguinte abriu sofisticadas lojas em cidades como Buenos Aires, Roma e Zurique. Suas criações eram luxuosas e cheias de estilo, com nítida influência do estilista Cristóbal Balenciaga, e Givenchy jamais negou que o trabalho do mestre espanhol o inspirava. Balenciaga e Givenchy se conheceram em 1953 e foram amigos até a morte do estilista espanhol, em 1972.


Foi também em 1953 que Hubert de Givenchy conheceu a sua verdadeira musa inspiradora, a atriz Audrey Hepburn, e passou a criar modelos para seus filmes, como Sabrina (1954) e Cinderela em Paris (1957). O filme Sabrina ganhou o Oscar de melhor figurino, assinado por Edith Head - a designer mais requisitada de Hollywood na época -, a qual não deu o devido crédito a Givenchy pelo famoso vestido de baile, usado por Audrey Hepburn no filme. Em resposta, a atriz exigiu que, em seus próximos filmes todo seu guarda-roupa fosse feito pelo estilista francês. Mas a imagem mais inesquecível da atriz americana é a do filme Bonequinha de Luxo (1961), de Blake Edwards, com um vestido preto longo, piteira e colar de pérolas. “As roupas dele são as únicas nas quais me sinto eu própria. É muito mais que um couturier, é um criador de personalidade”, costumava dizer a atriz. Além de Audrey Hepburn, ele vestiu outras personalidades famosas como Dolores Guinness, Greta Garbo, Elizabeth Taylor, Marlene Dietrich, Jacqueline Kennedy, Grace Kelly e a duquesa de Windsor, representantes também de inquestionável elegância e glamour.


Durante os anos de 1950, ele criou vários modelos de vestidos “chemisier”, na forma de saco, largos na parte superior e afunilando-se em direção à bainha. Ainda em 1953 um vestido de Givenchy foi parar na capa da influente revista Elle. Givenchy foi o primeiro estilista de alta-costura a apresentar uma coleção de prêt-à-porter feminina, intitulada “Givenchy Université”, em 1954, uma verdadeira democratização da roupa de qualidade. Em 1956, mais uma vez quebrou as regras e se tornou o primeiro estilista a apresentar as suas coleções simultaneamente a clientes e à imprensa. Em 1957, lançou o seu primeiro perfume feminino, chamado L’Interdit, em homenagem a atriz Audrey Hepburn, que emprestou seu rosto para a campanha publicitária do produto. Nos anos seguintes o estilista apresentou grandes novidades, como por exemplo, em 1959 ao lançar Monsieur Givenchy, seu primeiro perfume masculino; em 1961 com a mudança de sua Maison para a pomposa Avenida George V; e, em 1969, ao ingressar para o universo da moda masculina com o lançamento da linha “Gentleman Givenchy”. Nos anos seguintes a grife iniciou uma enorme diversificação de produto com o lançamento de uma coleção de óculos, tecidos para móveis, toalhas de mesa, gravatas, sapatos e até joias. Givenchy marcou a década de 1980 com a utilização de tecidos com estampas inspiradas em artistas como Miró, Matisse e Bérard.


Apesar do sucesso e do glamour da marca, a Maison se encontrava com sérios problemas financeiros, o que culminou com sua venda, em 1988, para a Louis Vuitton. A coleção de perfumes já havia sido vendida para a Veuve Clicquot em 1981, que depois seria comprada pela LV e formaria o poderoso grupo LVMH, atual proprietário da GIVENCHY. O estilista francês se despediu das passarelas em 11 de julho de 1995 com um desfile para poucos, sob os aplausos de toda sua equipe e dos mais importantes estilistas do mundo sentados na primeira fileira. Foram convidados apenas amigos pessoais, estilistas e principais clientes. A aposentadoria de Monsieur Hubert abriu caminho para uma total reformulação da GIVENCHY, com a contratação de John Galliano, depois Alexander McQueen e, por último, Julien MacDonald - três jovens, britânicos, teatrais e nada convencionais. Galliano teve uma passagem rápida em 1996 e rapidamente foi para a Dior, cedendo espaço para o então recém-descoberto talento de McQueen, eleito na mesma época o melhor estilista do ano pelo Conselho Britânico de Moda, tornando-se o “queridinho” da mídia especializada. Em março de 2001, MacDonald fez sua elogiada estreia, com uma coleção que fundiu harmoniosamente a jovialidade e a extravagância de seus dois predecessores com a feminilidade e a sofisticação de Hubert de Givenchy.


Finalmente, em 2005, foi anunciada a chegada do italiano Riccardo Tisci à GIVENCHY, com a esperança de manter viva a tradição, o requinte e principalmente o prestígio de uma das maiores grifes da alta costura. Porque como dizia o próprio Givenchy, “Sucesso não é prestígio. O sucesso é passageiro, o prestígio é outro assunto. Ele persiste depois da gente. É preciso trabalhar para não ter trabalhado em vão”. Em março de 2008 a marca inaugurou sua nova loja-conceito na Faubourg Saint-Honoré, ou seja, na rua mais chique de Paris, apresentando o novo espírito da marca que equilibrava espaço e privacidade. Na época, os especialistas acreditavam que a nova loja poderia render aproximadamente €6 milhões durante o primeiro ano. Tudo em um momento que a GIVENCHY estava comemorando o retorno à lucratividade e o aumento das vendas. Em 2010, a GIVENCHY estarreceu milhões de pessoas e quebrou paradigmas ao lançar uma célebre campanha estrelada por Lea T (filha do ex-jogador Toninho Cerezo), a primeira modelo transexual que irrompeu no mundo da moda.


A linha do tempo 
1970 
Lançamento do perfume feminino GIVENCHY III, com o famoso slogan “Who knows why we remember a woman and not another one? Givenchy III gives memory to men”
1975 
Lançamento do perfume masculino GIVENCHY GENTLEMAN
1980 
Lançamento do perfume feminino L’EAU de GIVENCHY
1984 
Lançamento do perfume feminino YASATIS, tendo como garota-propaganda a modelo Carla Bruni, que chegou a ser a primeira-dama francesa. 
Lançamento de duas linhas esportivas: GIVENCHY KNITWEAR e GIVENCHY LIFE
1986 
Lançamento do perfume masculino XERYUS
1989 
Criação da divisão GIVENCHY BEAUTÉ para comercializar linhas de cosméticos e maquiagens. O primeiro lançamento da linha foi PRISME, sombra com uma combinação rara de quatro cores para um resultado personalizado e elegante e cuja tradicional embalagem representava o famoso logotipo 4G da marca. 
Lançamento da SWISSCARE for GIVENCHY, uma linha de produtos para a pele. 
1990 
Inauguração da primeira boutique masculina da grife em Paris. 
1991 
Lançamento do famoso perfume feminino AMARIGE, um dos ícones da marca francesa. 
Inauguração do primeiro SPA GIVENCHY, próximo a Paris. A grife francesa foi pioneira no segmento de SPAS de luxo e possui atualmente unidades localizadas nas Ilhas Mauritius, Shirai (Japão), Montreal (Canadá) e Montreux na Suíça. Todos apresentam salas de tratamento espaçosas e aconchegantes com vista para paisagens únicas, banhadas por luz natural. 
1996 
Lançamento do perfume feminino ORGANZA
1998 
Lançamento do perfume masculino PI by GIVENCHY
2002 
Lançamento do perfume masculino GIVENCHY POUR HOMME
2003 
Lançamento do perfume VERY IRRÉSISTIBLE GIVENCHY, tendo em sua campanha o rosto da atriz Liv Taylor. A versão masculina do perfume seria lançada dois anos depois. 
2005 
Lançamento da GIVENCHY LE MAKEUP, uma linha de maquiagem extremamente chique e moderna com cores inovadoras e novas fórmulas, que permitiam total controle sobre os efeitos na pele. 
Lançamento do perfume feminino MY GIVENCHY
2006 
Lançamento do perfume feminino ANGE ou DÉMON, personificado pela bela Marie Steiss, filha do ex-primeiro ministro francês Dominique de Villepin. 
Lançamento do perfume feminino ABSOLUTELY GIVENCHY
2008 
Lançamento do perfume masculino π NEO, uma releitura do PI, lançado há mais de 10 anos. A embalagem futurista foi criada pelo designer Serge Mansur, que se inspirou na forma de uma pirâmide – o frasco não é exatamente triangular – e sim um quadrado com um corte no meio com um metal prateado nas bordas. O líquido da fragrância tem um tom azul acinzentado e é leve e fresco, além de fixar muito bem na pele. 
Lançamento do perfume masculino PLAY
Lançamento do GIVENCHY LE SOIN NOIR, um novo creme para rejuvenescimento que leva em sua formulação um ingrediente exótico: seiva de alga negra. O produto protege o DNA das células contra a radiação, além de refazer a conexão entre elas, combatendo os sinais de envelhecimento. 
Lançamento do PHENOMEN’EYES, uma máscara com um novo aplicador esférico para um efeito fenomenal no olhar. Evita que os cílios fiquem com efeito pegajoso, pois seu aplicador distribui uniformemente sua fórmula à base de ceras fluidas que permitem uma fácil aplicação. 
2010 
Lançamento do perfume feminino EauDemoiselle, uma nova fragrância dedicada às jovens mulheres, que procuram um perfume sensual e com personalidade. 
2011 
Lançamento do perfume feminino DAHLIA NOIR, que se tornou um enorme sucesso. 
2013 
Lançamento do perfume masculino GIVENCHY GENTLEMAN ONLY. Para a nova fragrância, a marca propôs um perfume amadeirado mais moderno. 
Lançamento do LE ROUGE GIVENCHY, mais do que um batom, é um novo acessório atemporal. A embalagem luxuosa é envolta por couro e inspirada na alta-costura. 
2014 
Lançamento do perfume feminino DAHLIA DIVIN. Os cuidados podem ser vistos em todas as etapas, desde a concepção da fórmula assinada pelo renomado perfumista François Demachy, e na qual se destacam acentos florais amadeirados, até a escolha da atriz e cantora americana Alicia Keys, que emprestou sua beleza para a campanha de lançamento.


Os ícones 
Givenchy é considerado um dos nomes mais importantes e influentes que a moda já conheceu, deixando um legado de sofisticação e inovação como: 
● A blusa Bettina (inspirada em sua principal modelo, Bettina Graziani), uma camisa branca com babados nas mangas e peças coordenáveis. 
● O pretinho básico de corte reto, usado por Audrey Hepburn no filme Bonequinha de Luxo. Talvez o vestido preto mais famoso do mundo. 
● O vestido “chemisier” em forma de saco, largo na parte superior e justo na bainha, lançado em 1957. 
● O casaco balão, criado em 1958. 
Vestidos tipo envelope, transpassados, criados em 1966.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por algumas alterações ao longo dos anos. O famoso logotipo da grife, chamado de 4G (pois é composto por quatro letras G, que formam um quadrado) foi criado em 1970 por Pierre Dinand. Após passar por mais uma modificação (onde a tipografia de letra foi afinada e a palavra Paris adicionada abaixo do nome), mais recentemente a marca simplificou seu logotipo, que ganhou uma tipografia de letra mais encorpada. O tradicional símbolo 4G continua em uso em seus produtos, especialmente na GIVENCHY BEAUTY, sua linha de cosméticos, maquiagens e perfumes.


Dados corporativos 
● Origem: França 
● Fundação: 2 de fevereiro de 1952 
● Fundador: Hubert de Givenchy 
● Sede mundial: Paris, França 
● Proprietário da marca: LVMH Moët Hennessy • Louis Vuitton S.A. 
● Capital aberto: Não (subsidiária) 
● CEO: Philippe Fortunato 
● Diretor criativo: Riccardo Tisci 
● Faturamento: €180 milhões (estimado) 
● Lucro: Não divulgado 
● Lojas: 50 
● Presença global: 100 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 1.300 
● Segmento: Moda de luxo 
● Principais produtos: Roupas, acessórios, bolsas, cosméticos e perfumes 
● Concorrentes diretos: Chanel, Christian Dior, Prada, Gucci, Valentino e Guerlain 
● Ícones: A blusa Bettina, o vestido “saco” e o perfume Amarige 
● Website: www.givenchy.com 

A marca no mundo 
A sofisticada GIVENCHY tem seus produtos vendidos em mais de 50 lojas próprias da grife, além de centenas de pontos de venda dentro das mais renomadas lojas de departamento do mundo como a Harvey Nichols e Harrods em Londres, Nordstrom e Barney’s nos Estados Unidos, Galeries Lafayette em Paris, e centenas de outras lojas localizadas nos lugares mais badalados do planeta. A Europa responde por mais de 40% do faturamento anual da grife, estimado em €180 milhões. Já o Brasil figura entre os 10 maiores mercados da marca no mundo. 

Você sabia? 
Todas as mulheres da família Kennedy usaram GIVENCHY no funeral do ex-presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy, assassinado em 1963. O vestido da viúva, Jacqueline Kennedy, foi enviado às pressas de Paris para a ocasião. Comenta-se que, na época, o ateliê de GIVENCHY tinha um tipo de tecido especial para cada mulher da família Kennedy. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, BusinessWeek, Elle e Vogue), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers).

Última atualização em 10/6/2015

2 comentários:

Anônimo disse...

ooi....pq esse nome ange ou démon?...Obrigada..

wilton marques disse...

Quantos perfumes masculinos existem dessa grife e quais sao eles? wilton.marques@yahoo.com