6.6.06

ADIDAS


Atletas no lugar mais alto do pódio. Quebras de recordes. Limites superados. Vitórias e títulos. Dificilmente em alguma dessas situações esportivas as singelas “três listras” não estiveram presentes. Nenhuma marca simboliza mais a eficiência e competitividade alemã nos esportes que a adidas.

A história
As origens da marca datam de 1920 quando Adolph Dassler, filho de um sapateiro, iniciou um pequeno negócio na cidade alemã de Herzogenaurach, localizada no coração da Francônia, ao norte de Nuremberg, para produzir calçados esportivos e malas militares e como forma de sustentar sua família. A velha lavanderia de sua mãe foi rapidamente convertida em uma modesta oficina de 18 metros quadrados. Mas o jovem fanático por esportes precisaria ser muito criativo para trabalhar nos difíceis anos do pós-guerra, sem dispor de máquinas, eletricidade ou materiais adequados. Inicialmente, o negócio era parecido com o de qualquer outro sapateiro, mas ele nunca desistiu de seu sonho e da paixão por desenvolver calçados esportivos duráveis para proteger os atletas de lesões. Todos os calçados eram de couro e feitos à mão.


Após um período difícil de inflação e desemprego, seu irmão, Rudolf, se juntou ao negócio em 1924. Foi então que os irmãos fundaram no dia 1 de julho a “Gebrüder Dassler Schuhfabrik” (em alemão, Fábrica de Calçados Esportivos dos Irmãos Dassler), inicialmente empregando apenas 12 trabalhadores. Sendo um vendedor treinado, Rudolf era responsável principalmente por tarefas administrativas, enquanto Adolf concentrava-se no desenvolvimento e na produção. Em pouco tempo, trabalhando dia e noite em sua oficina ampliada, os irmãos e seus funcionários conseguiam produzir 50 pares de calçados por dia. Em 1925, Dassler obteve suas primeiras patentes: uma para um calçado de corridas com cravos forjados a mão, e outra para uma chuteira de futebol com travas. Tudo motivado pela ideia que o guiou durante toda sua vida: a de que cada atleta tivesse o calçado adequado para o esporte que praticava, evitando assim lesões e melhorando o desempenho. O sucesso dos modelos serviu de incentivo para Adi Dassler, que logo desenvolveu calçados esportivos específicos para outras modalidades. Em 1927 os irmãos alugaram suas primeiras instalações e rapidamente a produção subiu para 100 pares de calçados por dia.


Utilizando sua própria experiência e a ajuda de atletas e técnicos para desenvolver e projetar seus calçados, já em 1928 alguns esportistas alemães disputaram os Jogos Olímpicos de Amsterdã utilizando calçados especiais da oficina dos irmãos Dassler. No ano seguinte, a empresa produziu suas primeiras chuteiras de futebol, com solado de couro e travas combinadas com uma “barra de estabilização”. Nos Jogos Olímpicos de Los Angeles, em 1932, o alemão Arthur Jonath tornou-se o primeiro atleta a ganhar uma medalha usando calçados Dassler, tendo conquistado o bronze nos 100 metros rasos – o endosso que faltava para os irmãos empreendedores. Nesta década, a oficina produzia, com a ajuda de 100 funcionários, aproximadamente 30 modelos de calçados para 11 disciplinas esportivas diferentes, incluindo patins com quatro rodas.


Nas Olimpíadas de 1936, em Berlim, atletas usando calçados Dassler conquistaram nada menos que 40 medalhas de ouro, incluindo quatro do lendário atleta americano negro Jesse Owens, confirmando assim a reputação dos calçados Dassler entre os esportistas mais famosos do mundo, despertando o interesse de treinadores de várias equipes nacionais. Mas o ódio de Adolf Hitler foi tanto que, assim que a Segunda Guerra Mundial começou, mandou confiscar a fábrica dos irmãos. Com o país em escombros após o conflito, os irmãos retomaram o controle de seus negócios. Durante este período, eles encontraram enormes dificuldades para manter o negócio em funcionamento. A matéria-prima era escassa e eles tiveram que recolher dos escombros da guerra lona de barracas, couro de luvas de baseball e borracha utilizadas pelos americanos para poder fabricar seus calçados. Foi neste momento que os irmãos, devido a divergências, especialmente políticas, resolveram seguir caminhos distintos. Rudi fundou a Puma. Adi criou a adidas (escrita com letras minúsculas mesmo) com apenas 47 funcionários. O nome deriva da combinação de “ADI”, apelido de Adolph, e “DAS” iniciais de seu sobrenome Dassler. A partir deste momento os irmãos e as famílias se tornariam, não somente rivais, mas também inimigas.


A busca por uma imagem que chamasse a atenção, para tornar seus calçados mais reconhecidos à distância, culminou com o famoso design das três listras, surgindo assim um dos logotipos mais famosos do mundo. A marca adidas foi registrada somente em 18 de agosto de 1949. Também neste ano, as três listras são registradas oficialmente como marca comercial da adidas. Adi então, concentrou seus esforços na criação de novas chuteiras de futebol. O resultado: foram fabricadas as primeiras chuteiras de futebol com travas de borracha moldada e ajustáveis. Nos Jogos Olímpicos de Helsinque em 1952, a adidas foi a marca de calçados esportivos mais utilizada pelos atletas. Foi neste evento que surgiram os primeiros calçados de corrida com travas removíveis.


Outro acontecimento marcante para a adidas que ocorreu nesta olimpíada foi a conquista de três medalhas de ouro por Emil Zatopek nos 5.000m, 10.000m e maratona, utilizando calçados da marca. A conquista do Campeonato Mundial de Futebol pela Alemanha em 1954 selou definitivamente o sucesso da marca adidas: na legendária partida final contra a Hungria, conhecida como “a batalha de Berna”, os jogadores da seleção alemã calçavam leves chuteiras de cano baixo com travas de náilon parafusáveis especialmente desenvolvidas por Adi Dassler. Nesta época a empresa já produzia mais de 450.00 pares de calçados todos os anos. Foi nos Jogos Olímpicos de Melbourne em 1956 que Horst, filho de Adi, deu início ao marketing esportivo moderno. No evento, 75% dos atletas que conquistaram medalhas utilizavam calçados da marca adidas.


No final desta década, em 1959, o estabelecimento e a construção de uma fábrica na França foi a primeira tarefa atribuída a Horst, filho de Adi. Nos Jogos Olímpicos de Roma em 1960, a americana Wilma Rudolph, apelidada de “Gazela Negra”, ganhou três medalhas de ouro no atletismo utilizando calçados com travas para curta distância. Nesta década, o sortimento de produtos se diversificou e cresceu, incluindo a fabricação de bolas a partir de 1963 e de confecções esportivas desde 1967. Adi Dassler nunca se cansou, até morrer em 1978, de buscar o modelo perfeito da chuteira, do tênis e das bolas, o que se traduz em mais de 700 patentes e modelos registrados em todo o mundo.


No início dos anos 90, a marca resolveu investir na junção do esporte com o mundo da moda, lançando produtos antigos e clássicos com uma nova interpretação. Fundindo-se com o grupo francês Salomon, especializado em equipamentos para a prática de esqui na neve, em 1997, após uma fase de fracassos financeiros, a então ADIDAS-SALOMON passou a congregar a maior variedade do mundo em artigos esportivos, que eram vendidos sob diferentes marcas, em um total de 600 modelos de calçados e 1.500 peças de confecção. A adidas também comprou as empresas Taylor Made Golf e Maxfli, permitindo assim a concorrência com a Nike Golf. Em 2005, ano em que vendeu a marca Salomon, a empresa deu um grande passo para tentar recuperar o mercado mundial de equipamentos esportivos ao comprar a tradicional inglesa Reebok por US$ 3.5 bilhões.


No ano seguinte executou outra manobra ousada ao pagar cerca de US$ 400 milhões para ser patrocinadora oficial da liga profissional de basquete americana (NBA). Em 2008, a empresa inaugurou uma gigantesca loja com 3.170 m² distribuídos por quatro andares, a maior da marca alemã, na cidade chinesa de Pequim, que servirá de modelo para futuras lojas nas principais capitais cosmopolitas do mundo. Em 2011, a marca inaugurou sua primeira Core Store em São Paulo, no shopping Pátio Higienópolis. O conceito pretende atingir tanto os consumidores de produtos esportivos, quanto os clientes comuns, que buscam apenas as coleções da marca. Com essa loja, a adidas passou a contar com 11 lojas em São Paulo, seis a mais que Nova Iorque e sete a mais que Londres.


A linha do tempo
1931
Introdução dos primeiros calçados para a prática do tênis.
1950
Introdução de uma chuteira versátil batizada de SAMBA. Esta chuteira foi criada para melhor tração no gelo, na neve e em terreno congelado.
1952
Introdução das primeiras malas esportivas.
1957
Introdução da primeira chuteira em couro de canguru e solas com ar.
Desenvolvimento da primeira meia-sola de poliamida para calçados de corrida.
1960
Em comemoração aos Jogos Olímpicos de Roma, a adidas lança o tênis de treinamento ITALIA, que se tornaria um dos maiores símbolos da marca, sendo produzido até os dias de hoje em quantidades muito limitadas.
1963
Início da produção das bolas de futebol.
1964
Introdução do TOKIO 64, tênis de atletismo mais leve da época, pesando apenas 135 gramas cada.
1967
Introdução da primeira linha de roupas esportivas com as tradicionais três listras.
1968
Lançamento do adidas GAZELLE, um tênis de treinamento que se tornou um dos maiores sucessos e ícone da marca alemã. Atualmente é um símbolo de status.
Lançamento do ACHILLE, primeiro calçado desenvolvido para a prática do jogging.
Primeira empresa do mundo a fabricar solas de poliuretano injetadas com várias travas.
1972
O tradicional chinelo ADILETTE foi lançado no mercado, tornando-se um dos maiores clássicos da marca alemã.
Desenvolvimento de calçados para corrida com meia-sola que possuía uma combinação de pele de tubarão e poliamida para proporcionar maior tração.
1974
Lançamento das primeiras raquetes de tênis.
1976
Lançamento de um calçado para atletismo com “sistema Vario”, uma combinação de plástico e metal intercambiáveis.
1982
Lançamento da COPA MUNDIAL, que se tornou a chuteira mais vendida de todos os tempos. Extremamente leve (pesa apenas 270g), com travas e solado de poliuretano, o modelo faz sucesso até os dias.
1984
Lançamento do MARATHON TRAINING, um revolucionário tênis de corrida com um pequeno computador acoplado.
1988
Introdução do revolucionário sistema TORSION, utilizado até hoje na produção de muitos de seus modelos de calçados. O sistema proporciona estabilidade e controle dos movimentos da parte da frente do pé e do calcanhar.
1991
Lançamento da adidas EQUIPAMENT, uma linha de produtos esportivos profissionais de alto desempenho contendo calçados e roupas. Esta linha foi renomeada em 2002 para adidas SPORT STYLE.
1994
Lançamento da adidas PREDATOR, uma revolucionária chuteira que logo se tornou um grande sucesso no meio futebolístico e um dos produtos de maior sucesso da poderosa marca alemã.
1996
Lançamento das chuteiras com tecnologia TRAXION nas solas, representando um novo marco de desenvolvimento no segmento.
2001
Lançamento da adidas ORIGINALS, uma linha composta por jaquetas, tênis, agasalhos e bolsas, produzida entre as décadas de 20 e 80, e relançada com novos desenhos e interpretações, que se tornou carro-chefe da onda retro, e também uma verdadeira mina de ouro para a marca, respondendo por cerca de 15% das receitas globais da empresa. São peças decoradas com as indefectíveis três listras e o logotipo em forma de trevo.
Inauguração das duas primeira unidades da adidas ORIGINALS STORE nas cidades de Berlim em setembro e Tóquio em dezembro, para vender os produtos “fashion” da marca alemã. A loja se tornou um sucesso em cidades que possuem estreita relação com a moda, como Barcelona, Milão, Nova Iorque, Amsterdã, Londres, São Paulo, Miami, Seul e Hong Kong. Atualmente existem mais de 160 unidades ao redor do mundo.
Lançamento do projeto “Experiência em Personalização”, que proporcionava aos consumidores a oportunidade de criar seu próprio calçado exclusivo segundo suas especificações pessoais exatas em termos de função, ajuste e aparência.
2002
Lançamento da Y-3, uma linha fashion assinada pelo designer japonês Yohji Yamamoto, composta por produtos com estilo minimalista e um toque futurista. O “Y” vem de Yohji Yamamoto e o “3” representa a famosa assinatura de três listras e o hífen ‘ significa a ligação entre os dois.
2003
Lançamento do adidas JetConcept, um revolucionário tecido empregado em trajes aquáticos para nadadores profissionais que diminuía a resistência da água em relação ao corpo. O produto ganharia enorme visibilidade com o nadador Ian Thorpe que utilizou a vestimenta no campeonato mundial realizado em Barcelona onde conquistou três medalhas de ouro, uma de prata e outra de bronze.
Inauguração de sua nova loja de fábrica, localizada em sua sede, com 3.500 metros quadrados.
2004
Criação da linha de roupas feminina no estilo esporte/fashion assinada pela badalada estilista Stella McCartney. A linha, batizada de adidas by Stella McCartney, foi bastante aclamada pela crítica.
2005
Lançamento do adidas a1, primeiro tênis inteligente do mundo. Possuía na sola um microprocessador capaz de fazer 5 milhões de cálculos por segundo. O tênis sabia onde pisava: um sensor instalado na parte inferior do calcanhar verificava a inclinação do solo, o tipo de superfície (cimento, madeira, terra ou areia) e enviava esses dados ao chip, que, então, ajustava o amortecimento do tênis de acordo com o impacto. O tênis foi considerado a grande invenção de artigos esportivos da última década, e mesmo com seu sistema computadorizado pesava apenas 425 gramas. Mas o preço não era nada leve. Aqui no Brasil, chegou á custar R$ 1.000. Por isso mesmo, a adidas restringiu a produção a 10.000 unidades.
Lançamento do PROJECT FUSION, primeiro projeto de treinamento integrado do mundo.
Lançamento do adidas_1 BASKETBALL, primeiro tênis inteligente de basquete do mundo.
2006
Lançamento da adidas +F50 TUNIT, chuteira que tinha três opções de cravos, duas de palmilhas e três de carcaças. Essa nova tecnologia revolucionária permitia que o jogador modificasse a qualquer momento o calçado, adaptando-o para qualquer tipo de campo, condição climática e estilo pessoal.
Lançamento da inovadora coleção masculina PORSCHE DESIGN, composta por peças para desempenho de alta tecnologia para o esporte e o design.
Inauguração da Mi Adidas Innovation Center, uma espécie de centro tecnológico, localizada na badalada Avenida Champs-Élysées em Paris, onde o consumidor pode fazer o seu próprio tênis, customizado inclusive os pontos principais que tocam o chão de forma específica para cada pé. No centro da loja existe uma passarela que capta o movimento dos pés e informa ao computador central qual o maior ponto de impacto para um caso específico. A partir daí o consumidor poderá escolher toda a estrutura externa do tênis e depois de 3 a 4 semanas o tênis é entregue em sua residência.
2010
Lançamento da linha adidas NEO, que traz uma variada gama de produtos que misturam as características dos materiais esportivos com a casualidade do dia a dia, tendo como principal objetivo criar artigos para todo tipo de ocasião com preços mais acessíveis.
2012
Lançamento do tênis Adidas adiZero F50 Runner 2, confeccionado em material sintético, leve e resistente, com cabedal respirável, ideal para acompanhar os treinos mais intensos. Possui uma estrutura sem costuras, tornando mais fáceis e ágeis os movimentos durante a corrida. Indicado para corredores com menos de 80 kg, tem um solado que proporciona um impacto muito mais suave, equilibrado e natural, além oferecer uma maior resposta e propulsão em cada pisada.


Inovação Made in Germany
A marca alemã sempre primou pela busca da excelência em seus produtos, não medindo esforços e investimentos em pesquisas e estudos que resultassem em tecnologias inovadoras capaz de auxiliar o atleta, da melhor forma possível, durante a prática esportiva. A marca alemã inovou ao longo da história introduzindo tecnologias como: (introduzida em 2002) um sistema, com elementos moldados independentemente, projetados para amortecer, direcionar e impulsionar os pés a cada passo; ClimaCool (introduzida em 2002) que consistia em produtos com ventilação de 360º; e a, um sistema de gerenciamento de energia, que amortece, orienta e impulsiona o pé proporcionando a passada perfeita.


Um ícone de travas
O futebol foi o esporte que impulsionou a ADIDAS rumo ao sucesso e reconhecimento mundial. Tudo começou na década de 1920 quando as pesadas bolas e chuteiras (de quase 1 kg) faziam com que os jogadores sentissem enorme dificuldade em arrematar com qualidade. Para melhorar esse quesito os irmãos Dassler realizaram modificações no calçado. Era o início de uma revolução no futebol. As inovações mais marcantes começaram na década de 1950: os canos baixaram, as travas podiam ser trocadas de acordo com o terreno e o peso foi reduzido para 500g. A partir de então, ao longo das décadas, a marca alemã vem continuamente criando inovações (como por exemplo, a utilização do tecido de couro de canguru) e utilizando o que há de mais moderno em tecnologia para lançar modelos de chuteiras que facilmente caem no gosto de grandes jogadores de futebol, já tendo calçado os pés de lendas, como por exemplo, Zinedine Zidane, Zico, David Beckham, Raúl Gonzales, Kaká, Lotthar Mathaus, Lionel Messi, entre outros craques.


O maior ícone da ADIDAS neste segmento apareceria em 1994: ADIDAS PREDATOR, que tinha como principal atrativo linhas de borracha acopladas à parte superior do cabedal, mais precisamente no “peito do pé”, que prometiam mais potência ao chute. Em 1995, o modelo seguinte a ser lançado seria o RAPIER (primeira chuteira da marca que trazia cores diferentes, até então a ADIDAS só fabricava modelos em preto e branco). A PREDATOR TOUCH, lançada em 1996, foi inovadora pelo fato de ter sido a primeira a utilizar solado com as travas do tipo “Traxion” e possuir uma língua que cobria toda a área dos cadarços, o que proporcionava uma maior área de chute. Lançada pouco antes do mundial da França, em 1998, a PREDATOR ACCELERATOR, trazia uma reestilização do solado Traxion e a inovação dos laços assimétricos, além de oferecer quatro diferentes combinações de cores (preto e branco; preto, vermelho e branco; vermelho e preto; e branco e amarelo). Já a PREDATOR PRECISION trouxe em 2000 as travas Traxion que eram intercambiáveis (fabricadas em diversas alturas, permitia serem trocadas de acordo com a condição do gramado). O modelo PREDATOR MANIA, lançado em 2002 e difundido na Copa do Mundo do Japão e da Coréia do Sul, trouxe inovações e novas cores (como por exemplo, champanhe e dourado). Já a PREDATOR PULSE, lançada para Eurocopa de 2004, com as tradicionais cores preta e vermelha, trouxe consigo o PowerPulse, um sistema de deslocamento de 40 gramas de peso para a ponta da chuteira que prometia otimizar o centro de gravidade do usuário em relação ao ponto de impacto do chute. Em 2008 foi a vez do modelo PREDATOR PowerSwerve, cuja novidade era um material chamado “Smartfoam”, que segundo a marca prometia um aumento do controle, efeito e força aos diversos movimentos do toque de bola. O penúltimo modelo dessa linha, lançado em 2010 e batizado de PREDATOR X, utilizava tecnologia “PowerSpine”, que prometia aumento no efeito posto na bola a cada chute.


Em 2012 a empresa lançou a última geração das chuteiras PREDATOR, batizada de LETHAL ZONES, isto porque possui cinco “zonas letais” que prometem um arsenal de possibilidades pra quem souber usá-las: uma zona de alta velocidade e dribles; outra para o domínio perfeito; uma para impor velocidade na finalização do chute a gol; uma para maior controle de bola e passes de longa distância e, ainda, um ponto ideal para passes de precisão. A nova chuteira é o primeiro modelo desta linha equipada com a tecnologia miCoach, o que significa que os jogadores podem acompanhar seu desempenho compilando dados como distância, número de arrancadas e velocidade máxima, e transferi-los para o celular ou computador. A chuteira também possui a revolucionária estrutura da sola Sprint Frame, que oferece um equilíbrio perfeito entre leveza (225g) e estabilidade, bem como a configuração das travas Traxion 2.0, que garantem máxima aderência e aceleração. Como estratégia de marketing, a marca lança um novo modelo da linha PREDATOR a cada dois anos, coincidindo com a Eurocopa e a Copa do Mundo.


As bolas
A marca alemã vem desenvolvendo bolas de futebol profissional desde 1963, quando a maioria delas era marrom, pesada e dura ao chutar. A primeira bola produzida chamava-se SANTIAGO. Desde então, a marca tem se dedicado a impulsionar a tecnologia do futebol para o futuro, sempre inovando e nunca se contentando com o básico. As bolas adidas se tornaram tão famosas quanto à própria marca graças a Copa do Mundo. Em 1966, a empresa alemã já estava em posição de apresentar uma nova bola com 32 gomos à FIFA na disputa para fornecer a bola oficial da Copa do Mundo na Inglaterra. Infelizmente para a empresa, o modelo inglês acabou sendo escolhido para o torneio realizado na terra natal do futebol. Quatro anos mais tarde, em 1970, o sonho foi realizado, quando a empresa forneceu a TELSTAR (feita totalmente em couro e 32 gomos costurados à mão) como sua primeira bola oficial de jogo em uma Copa do Mundo da FIFA. Essa bola, cujo nome origina-se de “Estrela da Televisão”, foi a primeira na cor branca com pentágonos pretos, o que era particularmente útil, já que a Copa do Mundo foi a primeira a ser transmitida ao vivo pela televisão. A TANGO, produzida para a Copa do Mundo da FIFA 1978, se tornaria um ícone do design futebolístico. Todas as bolas das cinco Copas do Mundo da FIFA seguintes, na Espanha (também chamada TANGO), México (chamada AZTECA), Itália (batizada de ETRUSCO), Estados Unidos (chamada QUESTRA) e França (batizada de TRICOLORE e primeira bola de futebol multicolorida) basearam-se no design da lendária TANGO, até que a FEVERNOVA mudou totalmente o estilo, para a Copa do Mundo realizada na Coréia/Japão em 2002.


Para a Copa do Mundo da FIFA de 2006, a marca alemã desenvolveu a melhor bola de futebol de todos os tempos, a +Teamgeist. Seu conceito completamente novo ficava à altura das exigências cada vez maiores dos grandes astros do futebol. A +Teamgeist foi a primeira bola totalmente sintética e com apenas 14 gomos. Para a Copa do Mundo de 2010, na África do Sul, a marca alemã criou a bola JABULANI, que significa “comemorar” no idioma zulu. A bola oficial da Copa do Mundo representava a variedade cultural da África do Sul e o colorido do continente africano. Eram 11 cores distintas, cada uma para uma das províncias do país sede do torneio. A nova bola introduziu importantes avanços em termos de tecnologia. Ao passar as mãos pela bola, a primeira coisa que chamava a atenção era a textura com ranhuras de aderência que asseguravam um domínio completo, uma trajetória estável no ar e uma aderência perfeita em qualquer condição. Além disso, ao contrário dos moldes anteriores das bolas de futebol da marca alemã, constituídas por gomos planos, a Jabulani era formada por oito gomos em 3D unidos termicamente e, pela primeira vez na história, moldados esfericamente para dar à bola um formato perfeitamente cilíndrico, o que garantia uma precisão nunca antes alcançada.


Recentemente o Comitê Organizador Local e a adidas revelaram o nome da bola Oficial da Copa do Mundo da FIFA 2014™. A bola se chamará adidas BRAZUCA, nome escolhido após uma votação pela Internet que contou com a participação de mais de um milhão de torcedores brasileiros.


O escândalo
A história da empresa apresentada em sua página oficial na Internet está incompleta. Talvez por que esteja indiretamente ligada a escândalos financeiros. Tudo começou após um período de sérios problemas depois da morte repentina e precoce do filho de Adolf Dassler, Horst, em 1987 aos 51 anos, quando a empresa foi comprada em 1989 por Bernard Tapie, um famoso empresário que fez fortuna resgatando empresas quase falidas, desmantelando-as e vendendo-as parte por parte, por 1.6 bilhões de francos franceses (US$ 320 milhões), dinheiro este originário de empréstimos. Ao assumir o comando da empresa ele decidiu mudar a produção para o continente asiático, onde a mão de obra era abundante e barata. Também contratou a cantora Madonna para divulgar a marca no mundo. Porém, em 1992, não conseguiu pagar os juros de seu empréstimo. Então, pediu ao banco Crédit Lyonnais para vender a empresa. Ao invés disso, o banco acabou comprando a ADIDAS, o que é normalmente proibido pelas leis francesas. Aparentemente, o banco estatal tentou fazer um favor ao polêmico empresário, tentando livrá-lo dos problemas, já que ele era ministro de Assuntos Urbanos no governo francês da época. Esquecendo por que o banco realmente comprou a adidas, ele mais tarde processou-o, porque se sentiu lesado pela venda. Em fevereiro de 1993, o banco vendeu a empresa alemã para Robert Louis-Dreyfus, um amigo do próprio Bernard Tapie (e primo de Julia Louis-Dreyfus do famoso seriado de TV Seinfeld). Robert se tornou o novo presidente da empresa. Ele também era presidente do time de futebol Olympique de Marseille, ao qual Tapie era intimamente ligado. O próprio Tapie foi à falência em 1994, sendo alvo de diversos processos, principalmente relacionado à manipulação de resultados no futebol. Condenado, passou seis meses na prisão La Santé em Paris em 1997 depois de ter sido sentenciado à 18 anos de reclusão. Robert Louis-Dreyfus foi muito bem sucedido administrando a adidas até 2001. Admitidamente, seu grande segredo foi simplesmente copiar com eficiência o que a Nike e a Reebok faziam no mundo.


O marketing
A estratégia de marketing da marca adidas é muito dependente do patrocínio de grandes eventos esportivos como as Olimpíadas, Copa do Mundo de Futebol (onde a empresa pagou cerca de US$ 50 milhões para ser patrocinadora oficial), federações esportivas e atletas individuais. A empresa alemã gasta anualmente em média mais de US$ 900 milhões em marketing, a maior parte disso em patrocínio, mas também em publicidade e outros tipos de comunicação. Nomes como Muhammad Ali, Franz Beckenbauer e Zinedine Zidane tornaram-se lendas das três listras, contribuindo para que a marca se tornasse o que é hoje.


Porém um episódio marcou definitivamente a história do marketing da adidas. Nas Olimpíadas de 1972, o nadador Mark Spitz estava a caminho de ganhar sete medalhas de ouro quando recebeu a visita de Horst Dassler, filho do fundador da empresa, na Vila Olímpica de Munique. Ele pediu para o norte-americano usar a marca nas cerimônias de entrega de medalhas. O problema é que provavelmente os calçados ficariam cobertos pelas calças que os nadadores usavam. Dassler então sugeriu para Spitz carregar os sapatos na mão. O atleta ficou contagiado pelo entusiasmo de Dassler e segurou um par de adidas Gazelle, quando acenou para a multidão. Spitz teve que se explicar depois ao Comitê Olímpico Internacional (COI), mas a marca ganhou enorme visibilidade mundial com esse episódio. A partir deste momento o mundo sabia quem era a marca adidas. Em 1998, a adidas se tornou a primeira marca de material esportivo a ser nomeada pela FIFA patrocinadora oficial do evento.


Talvez a maior campanha publicitária da marca alemã foi lançada globalmente em 2003 com o slogan “Impossible is Nothing”, que ressaltava a essência que a adidas tem em comum com os atletas ao redor do mundo: o desejo de superar seus limites e superar o impossível. A campanha integrada mostrava grandes atletas tanto do passado como do presente, unindo a lenda do Boxe Muhammad Ali, o corredor de longa distância Haile Gebrselassie, o ícone do futebol David Beckham, o jogador francês Zinedine Zidane, o nadador Ian Thorpe, o campeão dos 100 metros Maurice Greene e a estrela da NBA Tracy MacGrady. A mensagem da campanha se baseia na história real destes atletas, que de fato desafiaram o impossível, foram atrás de seus sonhos e conseguiram quebrar recordes e mudar conceitos.


Atualmente a empresa fornece os uniformes das principais seleções do mundo, como Alemanha (US$ 298 milhões/10 anos), Argentina (€6 milhões/ano), China, México, Grécia, Japão, Paraguai, Colômbia, Nigéria, Dinamarca, África do Sul, Escócia e Espanha, além de distribuir boa parte dos vestuários dos árbitros, chuteiras e bolas. Na Copa do Mundo de Futebol em 2010, a adidas vestiu 12 das 32 seleções que participaram do torneio. Ainda no futebol, a empresa patrocina a FIFA e fornece material para grandes clubes do futebol mundial como Lyon, Milan, Real Madrid (US$ 29.6 milhões/ano), Bayern de Munique, Chelsea (US$ 21 milhões/ano), Liverpool, Bayer Leverkusen, Schalke 04, Benfica, Ajax, Anderlecht, Olympique Marseille, Fluminense, Palmeiras, River Plate, Fenerbahçe, Besiktas, Galatasaray, Panathinaikos e Dínamo Kiev. Também possui uma constelação de craques patrocinados como os ingleses David Beckham, Frank Lampard e Steven Gerrard; os alemães Bastian Schweinsteiger, Lukas Podolski e Mats Hummels; os espanhóis David Villa, Xavi, Iker Casillas e Xabi Alonso; o português Nani; o italiano Alessandro Del Piero; os brasileiros Kaká, Luis Fabiano, Fred, Nilmar, Thiago Neves e Lúcio; os uruguaios Diego Lugano e Diego Forlán; o goleiro Petr Čech; os argentinos Lionel Messi e Juan Román Riquelme; os holandeses Robin Van Persie e Arjen Robben; os franceses Djibril Cissé, Karim Benzema e Zindedine Zidane (mesmo aposentado), entre outros.


No tênis a marca alemã tinha como seu principal atleta Ivan Lendl, que surgiu com uma grande promessa e alcançou o topo do ranking em 1985. Outra sensação da época patrocinada pela marca foi a tenista alemã Steffi Graf. Atualmente a marca patrocina os tenistas Andy Murray, Jo-Wilfried Tsonga, Fernando González, Caroline Wozniacki e Justine Henin. Além disso, patrocina a lendária equipe de rúgbi da Nova Zelândia, conhecida como All Blacks.


A evolução visual
Todo mundo conhece os dois logotipos da marca adidas, mas poucos sabem o que representam e porque ambos continuam sendo usados. O logotipo com as 3 listras, por incrível que pareça, é o mais antigo. Foi usado pela primeira vez em 1949. Adi Dassler criou esse símbolo para aplicar nos calçados e causar imediato reconhecimento perante os consumidores. As 3 listras representam uma montanha. Apontando para cima, representam também o desafios e os objetivos à serem alcançados. Já o popular logotipo com as três folhas, batizado oficialmente de TREFOIL (três folhas em francês), nasceu em 1971 e foi adotado como logotipo corporativo em 1972, sendo o único a ser utilizado por um grande período de tempo. Ele é simétrico, e continuam representadas as 3 listras. Em 1997, a adidas decidiu voltar com o logotipo inicial das 3 listras, redesenhado por Peter Moore. Ficou então com os dois logotipos sendo usados de maneira integrada. O Trefoil é usado em produtos da Sport Originals Division, que contém os tênis mais clássicos, com as 3 listras ocupando as duas laterais inteiras. Enquanto o logotipo das 3 listras (recriado em forma de barras nos anos 90) é utilizado em produtos da divisão esportiva (adidas Performance), materiais promocionais e materiais corporativos. Um terceiro logotipo é utilizado para os produtos da divisão fashion (adidas style), que engloba as linhas Y-3, Porsche Design Sport, adidas SLVR e adidas NEO. A empresa ainda utiliza um logotipo corporativo formado pelo nome adidas e as três listras na horizontal.


Os slogans
adidas is all In. (2011)
Impossible is Nothing. (2003)
I kiss football. (2001)
Want to play? (2000)
Feet you wear. (1998)
Performance shoes for runners. (1997)
Forever Sport. (década 90)
We’re running serious. (1985)
Spirit of the games. (1984)


Dados corporativos
● Origem: Alemanha
● Fundação: 18 de agosto de 1949
● Fundador: Adolph Dassler
● Sede mundial: Herzogenaurach, Alemanha
● Proprietário da marca: Adidas AG
● Capital aberto: Sim (1995)
● Chairman & CEO: Herbert Hainer
● Presidente: Erich Stamminger
● Faturamento: €13.3 bilhões (2011)
● Lucro: €671 milhões (2011)
● Valor de mercado: €13.8 bilhões (outubro/2012)
● Valor da marca: US$ 6.699 bilhões (2012)
● Lojas: 1.804
● Presença global: + 160 países
● Presença no Brasil: Sim (37 lojas)
● Funcionários: 46.800
● Segmento: Marcas esportivas
● Principais produtos: Calçados, roupas, acessórios e equipamentos esportivos
● Concorrentes diretos: Nike, Puma, Mizuno, Umbro, Lotto e New Balance
● Outros negócios: Reebok, TaylorMade e Rockport
● Ícones: O logotipo Trefoil e as três listras
● Slogan: adidas is all In.
● Website: www.adidas.com

O valor
Segundo a consultoria britânica Interbrand, somente a marca adidas está avaliada em US$ 6.699 bilhões, ocupando a posição de número 60 no ranking das marcas mais valiosas do mundo.

A marca no mundo
Seus produtos são vendidos em mais de 160 países através de mais de 80 subsidiárias e mais de 1.800 lojas próprias. Além da sede mundial, localizada em Herzogenaurach na Alemanha, onde trabalham aproximadamente 2 mil pessoas, seus dois principais centros de desenvolvimento, localizados em Scheinfeld (perto de Nuremberg, também na Alemanha) e Portland (chamado de adidas VILLAGE) nos Estados Unidos, empregam mais de 3 mil pessoas entre designers, engenheiros mecânicos e físicos. No mundo inteiro, a empresa tem mais de 46 mil funcionários e fatura anualmente mais de €13 bilhões. Aproximadamente 67% de seus produtos são produzidos na Ásia (onde concentra 22% da produção na China), 19% na América e 14% na Europa e na África.

Você sabia?
Atualmente, a adidas é a segunda maior empresa de equipamentos esportivos do mundo, atrás da maior rival a Nike, e líder na Europa onde a marca americana é a segunda. No entanto, é a maior distribuidora de equipamentos esportivos para futebol com 40% do mercado mundial.
Calçados feitos à mão para alguns nomes importantes, como David Beckham, ainda são produzidos na Alemanha.
Alguns fãs da marca dizem que adidas são as iniciais para All Day I Dream About Sports (Todos os dias eu sonho com esportes), o que não é verdade.


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers).

Última atualização em 8/10/2012

18 comentários:

Anônimo disse...

I love adidas!!

klebinn/ES disse...

que família heim ...
um criou simplismente a ADIDAS, e o outro nada menos que a Puma oO'
gostei =D
um abraço .

Anônimo disse...

adidas,o melhor de todos

Anônimo disse...

adidas,o melhor!

Anônimo disse...

Adidas é a melhor!!!
Os calçados e as roupas não tem comparação....
Show!!!
Eu só uso Adidas!!!

Anônimo disse...

Com certeza a Adidas e a Puma são os melhores produtores de materiais esportivos, só trabalham com materia-prima de primeira linha, com isso garantem durabilidade, beleza, leveza, esportividade, qualidade e modernidade a toda sua linha, eu pratico Adidas !!! dépois vem Puma !!! Sem dúvida. Como bom descendente de Alemão, a tradição sempre com evolução.
ERICH L. BENDLIN

Thaís disse...

Muito bom! Ótimo!
Essas informações ajudarão bastante em meu trabalho, quanto + melhor. srsrsr...

Diego disse...

Alguém sabe o nome da fonte usada na logomarca?

marca disse...

Muito bom este case!

Rodrigo disse...

Estranho é a Adidas faturar menos que a nike ,sendo q a nike só impera no japão e estados unidos.
Intrigante!

Rodrigo Aranha disse...

Pra mim atualmente a Adidas fabrica os melhores modelos de tenis e chuteriras.

Anônimo disse...

Uso adidas desde dos 14 anos de idade, hj tenho 32 e continuo usando adidas, esta marca eleva o meu ego e cada dia q passa descubro a moda através da adidas.
"Ich genieße wirklich adidas."

Anônimo disse...

100% nota 10 adidas curto adidas e sempre usarei adidas

panda disse...

Sem dúvida um blog muito interessante e muito bem trabalhado.
Parabéns e continua

Emanuel Alves disse...

Eu AMO Adidas e só uso Adidas!
É a marca do meu clube de coração, Palmeiras.

Antonio Fernandes disse...

EU AMO A adidas, tenho hoje 40 anos, uso adidas desde os meus 13 anos, 90 % do meu guarda roupa é adidas, nunca comprei um produto e achei defeito.
I LOVE adidas

Anônimo disse...

Olá!!! Será que aqui alguém poderá me ajudar? Boa noite galera, meu nome é Rodrigo e eu estou com um problema em relação a peças de reposição da chuteira f50 tunit. Meus chassis trincaram e eu não encontro em lugar nenhum esses chassis a não ser no ebay.com, nem na própria Adidas não acho. Isso acredito que não está certo, pois a partir do momento que você se propõe a comercializar um produto, você tem que ter as peças para reposição. No caso a f50 tem essas particularidades troca de pinos de cabedal, palmilha e também os chassis. Por exemplo uma montadora de veículos, fabricam os carros e depois não tem para-choques para reposição. Será que alguém sabe onde posso encontra esses chassis n:41? Enfim, muito abrigado a todos que perderam seu tempo em ler esse comentário e todos aqueles que possam me ajudar nessa empreitada. Abços!!! e-mail pra contato rodrigo.copiano@gmail.com

Filipe Farias disse...

Adidas muito mais superior principalmente no futebol...
Vamos combinar, encaixa muito melhor no pé do que Nike, Puma, Umbro;
Sem falar no conforto!
Muito boa matéria por sinal!