21.5.06

SONY


Inovação, tecnologia avançada, qualidade e durabilidade. São estes os valores fundamentais que a SONY tem defendido ao longo de sua existência. Assistir televisão com imagem em alta definição em uma BRAVIA. Tirar fotos perfeitas com uma CYBERSHOT. Jogar partidas emocionantes no PLAYSTATION. Gravar momentos inesquecíveis com uma HANDYCAM. Falar ou navegar na internet através de um Xperia. Ou ainda ouvir música em um WALKMAN. É a SONY espalhando suas principais “crias” nas vidas tecnológicas de meros mortais. 

A história 
Fundada em um dos grandes armazéns bombardeados da cidade de Tóquio, em 7 de maio de 1946, a SONY foi fruto das ideias brilhantes de dois homens geniais. Masaru Ibuka, um engenheiro, e Akio Morita, um físico. Akio nasceu em 1921 com um destino predeterminado: ser o herdeiro do negócio de saquê da abastada família Morita. Contudo, entusiasmado pela música clássica ocidental, que ouvia regularmente, e pelas revistas eletrônicas nipônicas, de que era assinante assíduo, o jovem desde cedo começou a interessar-se pela eletrônica. Por isso, optou por estudar física na Universidade Imperial de Osaka.


Após concluir a licenciatura, em 1944, foi admitido como tenente na Marinha Imperial e iniciou a sua vida profissional no Centro de Pesquisa Naval Japonês. E foi aí que conheceu Masaru Ibuka, então engenheiro-chefe da Companhia de Instrumentos de Precisão do Japão. Ibuka era um apaixonado pela tecnologia e sonhava criar produtos inovadores. O primeiro projeto dele, uma máquina elétrica para cozinhar arroz, não fez sucesso. Mas o desenvolvimento de almofadas elétricas aquecidas foi mais bem sucedido, o que permitiu equilibrar a situação financeira do jovem empresário.


Ao tomar conhecimento desses projetos, Akio decidiu abandonar a carreira militar e associar-se ao amigo, investindo o equivalente a 190.000 ienes para criar uma empresa, localizada em um dos grandes armazéns bombardeados da cidade de Tóquio. A nova empresa tinha apenas 20 empregados e reparava equipamentos elétricos, ao mesmo tempo, que tentava construir seus próprios produtos. A nova empresa não tinha qualquer maquinário e possuía muito pouco equipamento científico, contando apenas com a inteligência e o vasto conhecimento de engenharia dos fundadores. A primeira aposta foi o lançamento de um inovador leitor de fita magnética, concebido para o então mercado emergente do ensino da língua inglesa, que teve uma enorme aceitação junto às escolas e universidades locais. Mas o mercado japonês ainda sofria os efeitos devastadores da guerra. Logo, a maioria dos consumidores não dispunha de meios financeiros para comprar equipamentos de eletrônica sofisticada. Em 1950, a empresa lançou o “Soni-Tape”, primeiro cassete de gravação. Este evento foi rapidamente seguido pelo lançamento do primeiro gravador de cassetes magnético do Japão, batizado de G-Type, e que pesava incríveis 35 quilos.


Porém, a história da empresa começou a mudar em 1954 quando a Tokyo Tsushin Kogyo K.K., conhecida pela abreviatura Totsuko, ou em português Empresa de Engenharia de Telecomunicações de Tóquio, como era denominada, obteve uma licença para fabricar transistores. O transistor tinha sido inventado na América, porém ainda não fora aplicado a rádios, que eram alimentados por válvulas. Em maio de 1954, a empresa lançou o primeiro transistor do Japão e o primeiro rádio transistor no ano seguinte sob a marca SONY. Os pequenos e resistentes rádios portáteis da SONY rapidamente conquistaram os consumidores em todo o mundo e estabeleceram uma reputação de qualidade e de inovação para a marca. Em 1955, a empresa decidiu utilizar o logotipo SONY em produtos Totsuko e três anos mais tarde mudou o seu nome para SONY CORPORATION.


Desde então, poucas empresas igualaram o percurso da SONY no campo da invenção e da inovação com o lançamento da primeira televisão transistorizada do mundo (1960); da primeira televisão miniatura (1962); do primeiro vídeo-gravador doméstico do mundo (1964); do primeiro equipamento portátil de Vídeo Tape (1967); do primeiro rádio-relógio digital (1968); do primeiro vídeo-gravador a cores (1971); dos gravadores Betamax (1975), do primeiro sistema de vídeo doméstico do mundo; da câmera eletrônica (1981); do primeiro leitor de CD do mundo (1982), desenvolvido em parceria com a Philips; da primeira câmera de vídeo (1983); do primeiro CD player portátil (1984); do primeiro VTR Digital (1985); do vídeo de 8 mm (1988); do micro-disquetes de 3.5 polegadas (1989); e do primeiro disco CD-RW (1997), conhecido como CD regravável.


Sua expansão internacional começou com a fundação da SONY CORPORATION of AMERICA em 1960 nos Estados Unidos, mercado chave para que a marca crescesse globalmente, seguida pela subsidiária inglesa em 1968. As décadas seguintes assinalaram também a dominante presença da SONY em outros segmentos como o de celulares, dos consoles de jogos com o Playstation, dos computadores pessoais com o VAIO, das televisões LCD de alta definição com a linha BRAVIA e na robótica doméstica com o AIBO e o QRIO - robôs de entretenimento que assumem, respectivamente, a forma canina e a forma humana. No final de 2001, a empresa japonesa se uniu a sueca Ericsson para formar uma joint-venture para a produção de telefones celulares, denominada SONY-ERICSSON. A motivação para esta fusão foi combinar a excelência da SONY no mercado de bens de consumo eletrônicos com a liderança tecnológica da Ericsson no setor de telecomunicações. Após uma década de parceria bem-sucedida, no início de 2012 a joint-venture foi desfeita e a SONY comprou por US$ 1.47 bilhões a parte da empresa sueca no negócio, criando assim a SONY MOBILE COMMUNICATIONS, responsável pelo desenvolvimento e lançamento da linha de smartphones Xperia, que utiliza o sistema operacional Android, do Google. Com isso, a empresa japonesa ganhou liberdade total para remodelar interfaces e revisar as estratégias para a comercialização de seus produtos, podendo assim acelerar a criação de smartphones que se conectem a tablets, televisores e outros aparelhos SONY.


Mais recentemente, em 2014, como forma de minimizar os enormes prejuízos financeiros e atendendo à exigência dos acionistas, a SONY demitiu 5.000 pessoas, cortou custos, fechou fábricas e negociou a unidade que fabrica a linha VAIO de computadores pessoais com o fundo de investimento Japan Industrial Partners. A empresa japonesa entrou no mercado de PCs em 1996 e, desde então, vendeu nove milhões unidades de computadores em seus melhores anos. Contudo, as vendas caíram muito em 2013 e colocaram a SONY em nono lugar entre os maiores fabricantes de computadores do mundo, com participação de mercado de míseros 1.9%. Além da venda, o gigante japonês também irá fazer uma separação da unidade de TVs BRAVIA para focar suas energias e investimentos nas áreas de mobile e game.


A empresa, além das divisões SONY ELECTRONICS (que engloba produtos de áudio e vídeo), SONY MOBILE COMMUNICATIONS (smartphones, tablete e acessórios), SONY COMPUTER ENTERTAINMENT (consoles e jogos de videogame) e tecnologias médicas de imagens, está presente em diversos meios de comunicação e entretenimento em todo o mundo, sendo proprietária dos estúdios de cinema Columbia Tri-Star Pictures, pelo qual pagou US$ 3.4 bilhões; o estúdio de animação Sony Pictures Animation, responsável pela produção de filmes como O Bicho Vai Pegar, Tá Chovendo Hambúrguer, Os Smurfs 2 e Hotel Transilvânia; da gravadora Sony Music, responsável por artistas como Michael Jackson, Usher, Eminen, Miranda Lambert, Shakira, Miley Cyrus e Justin Timberlake; e dos canais de TV por assinatura Sony Entertainment Television, Sony Spin, Animax, AXN, entre outros.


Akio Morita foi o primeiro entre os japoneses a perceber que teria de se voltar para os Estados Unidos se quisesse crescer, o que o levou a alterar a designação da empresa para SONY. O criador da empresa foi um gênio do marketing. Muito do fascínio exercido por Morita se deve à maneira como ele conquistou o ocidente. Para vender a imagem da SONY e de seu país, ele mudou-se com a família para os Estados Unidos, aprendeu a falar inglês e agir como um homem de negócios ocidental. Ele deu uma enorme contribuição para renovar a imagem do Japão. Nos anos que se seguiram à derrota na Segunda Guerra Mundial, os japoneses eram vistos como um povo atrasado, incapaz de fabricar produtos confiáveis ou competir com o ocidente. Morita mudou esse quadro e, até hoje, ninguém mais pensa assim. A criatividade de Morita, além de projetar muitos produtos, promoveu na SONY um clima organizacional de liberdade, abertura de espírito e vontade de aceitar desafios para criar produtos inovadores.


Por isso, até hoje para a SONY, inspirar e instigar a curiosidade é uma verdadeira missão. Sua paixão por tecnologia, conteúdo e serviços é infinita. É ela que move a empresa na busca incansável pela inovação. E exatamente o que impulsiona a trazer emoções inéditas e entretenimento inigualável para seus consumidores. Essa é a forma da SONY de inventar experiências surpreendentes. Afinal, tudo o que cria é para mover a emoção de milhões de consumidores espalhados em todos os continentes.


A linha do tempo 
1968 
Lançamento do TRINITRON, primeiro televisor a cores com cinescópio. 
1970 
Introdução dos cartões para armazenamento de informações. 
1979 
Lançamento do WALKMAN, um K7 player que foi o primeiro tocador de músicas portátil do mundo. 
1982 
Lançamento do disquete flexível de 3.5. 
1984 
Lançamento do DISCMAN, nome dado pela SONY ao primeiro leitor de CD portátil, chamado D-50 e introduzido no mercado para substituir ao Walkman. Atualmente perdeu muito espaço para os aparelhos de MP3, tendo sido tecnologicamente superado. Outro fator que sempre prejudicou seu prestígio era o grande consumo de pilhas, o que foi sanado com o surgimento das pilhas recarregáveis. 
1985 
Lançamento da HANDYCAM, pequenas e portáteis câmeras de vídeo com formato de fita 8mm, que tinham a vantagem de serem menores que os concorrentes VHS e Betamax, mantendo a mesma qualidade de imagem. 
1987 
Lançamento do DAT (Digital Audio Tape), K7 de gravação digital com alta qualidade sonora pouco aceito por usuários domésticos, mas muito usado por profissionais. 
1991 
Apresentação do MINIDISC, que ao associar a miniaturização do WALKMAN ao disco óptico gravável, criou um aparelho como alternativa superior às tradicionais fitas cassetes de áudio. O disco baseado em mídia digital para gravação e distribuição ao consumidor tinha qualidade semelhante ao CD. O aparelho seria lançado no mercado somente no ano seguinte. 
1994 
Lançamento do PLAYSTATION, um videogame revolucionário que se tornou um enorme sucesso de vendas. A empresa gastou mais de €479 milhões no desenvolvimento do produto. O videogame se tornou o produto de maior sucesso da empresa, chegando a possuir 70% de participação de mercado. 
1996 
Lançamento da CYBERSHOT, uma câmera digital que evoluiu muito desde que o primeiro modelo, DCS-F1 de 0.35 megapixels com lente rotativa de 180 graus e flash foi introduzido. Por exemplo, em 2001, a linha já contava com câmeras de 5.2 megapixels. 
Lançamento dos primeiros computadores de mesa com a marca VAIO
1997 
Lançamento da linha de laptops VAIO, que se tornou um dos maiores sucessos comerciais da empresa. O primeiro modelo de laptop chegou ao mercado americano como uma resposta a um desejo da SONY de converter o PC em algo mais do que um simples instrumento para escrever documentos, elaborar planilhas, apresentações e consultar e-mails. O nome “VAIO” era a abreviação de Operação Integrada de Áudio e Vídeo (Video Audio Integrated Operation). Isso porque seu criador, o engenheiro Teiyuu Goto, do Creative Center (Centro Criativo) da SONY no Japão, imaginou um produto para facilitar a utilização de tecnologia de áudio e vídeo para uso pessoal ou profissional, e principalmente, que este equipamento reunisse convergência, conectividade e diversão. A primeira sílaba VA representa a curva de frequência da tecnologia analógica; e a segunda sílaba IO traz o código binário (1 e 0) que significa a tecnologia digital. 
1998 
A Lançamento do MEMORY STICK, famoso cartão de memória flash utilizado em suas câmeras digitais. 
1999 
Lançamento do PLAYSTATION 2, a segunda geração do famoso videogame, que em 2011 superou a marca de 150 milhões de unidades vendidas no mundo. 
2003 
Lançamento do primeiro gravador de Blu-ray do mundo. 
2004 
Lançamento da primeira câmera de vídeo HD digital para uso amador do mundo, em conformidade com os padrões HDV. 
2005 
Lançamento da BRAVIA, uma linha completa de televisões LCD de alta definição que se diferencia das concorrentes por reproduzir muito mais cores, de uma forma fiel e viva. A palavra BRAVIA é a abreviatura de “Best Resolution Audio Visual Integrated Architecture”
Lançamento da primeira pilha sem mercúrio. A pilha de botão, totalmente “amiga do meio-ambiente”, é muito utilizada em relógios, pequenos termômetros e videogames portáteis. 
2006 
Lançamento do PLAYSTATION 3, a terceira geração do famoso videogame. 
2007 
Lançamento da CYBERSHOT SMILE SHUTTER, uma câmera digital com a função Smile Shutter, que funciona a partir da tecnologia de detecção de face. Quando o disparador é pressionado até o final, o Smile Shutter reconhece se a pessoa a ser fotografada esta sorrindo e automaticamente faz até seis fotos seguidas. 
Lançamento da primeira televisão OLED (organic light-emitting diode) comercial do mundo, elevando as telas finas a um novo limite. A TV possuía tela de 11 polegadas e espessura de 3 mm. 
2009 
Lançamento do SONY VAIO P, um computador de bolso premium com apenas 2 cm de espessura e 620 gramas de peso, sendo o laptop portátil mais compacto do mundo na época. Apesar da capacidade de memória do Vaio P ser maior, possui 60 GB de disco rígido e memória RAM de 2 GB, ele vinha equipado com o mesmo processador dos outros ultra portáteis. A principal atração do mini PC era a tela de alta definição de 8 polegadas ultra widescreen, que apesar da proporção ser pequena, permitia visualização de dois sites ao mesmo tempo. 
2010 
Lançamento da SONY BRAVIA 3D, nova linha de televisores 3D da marca japonesa. A ação de lançamento da linha em junho foi cinematográfica: o juiz mal havia apitado o fim da partida entre África do Sul e México na abertura da Copa do Mundo, na sexta-feira 11, quando um pequeno exército de funcionários da empresa japonesa iniciou uma complexa operação logística em diversos países. O objetivo da ação era enviar para mais de quatro mil lojas as primeiras imagens já feitas em três dimensões de um jogo de Copa do Mundo para serem mostradas aos potenciais compradores de sua televisão Bravia 3D, que estava sendo lançada naquele dia em vários países do mundo. Com conversor digital integrado e equipada com as mais recentes tecnologias e inovações exclusivas, esta linha possuía processador BRAVIA ENGINE que trata o sinal recebido, oferecendo qualidade de imagem e ação sem igual. 
Lançamento do Video On Demand powered by Qriocity, que permite ao usuário assistir a filmes sob demanda tanto em alta definição como na resolução padrão. O serviço está acessível em aparelhos da SONY com conexão de rede como as televisões Bravia, tocadores de Blu-ray, sistemas de home theater com Blu-ray, videogame PlayStation e computadores Vaio. Recentemente o serviço disponibilizou o acesso a músicas e também será usado para distribuir jogos e e-books. 
2011 
Lançamento do PS VITA, nova geração dos consoles portáteis PlayStation. A nova versão do console portátil incluía duas alavancas analógicas, uma tela OLED de 5 polegadas sensível ao toque, além de Bluetooth, Wi-Fi e 3G opcional. Até meados de 2013 o console vendeu mais de 4.2 milhões de unidades. 
Lançamento do primeiro tablet da empresa japonesa, batizado de SONY S. O tablet possuía tela de 9,3 polegadas. Atualmente a linha de tablets da empresa adotou o nome XPERIA TABLET
2012 
Lançamento da TV SONY BRAVIA LED 3D de 84 polegadas com resolução de 4K (3840×2160), tecnologia que oferece uma resolução até quatro vezes superior a de um televisor padrão com resolução HD Ready (720p). 
Lançamento, após a separação com a empresa sueca Ericsson, dos dois primeiros smartphones com a marca XPERIA: o modelo S e o P. 
2013 
Lançamento em novembro do PLAYSTATION 4, a quarta geração de seu aclamado videogame. Dentre as novas especificações estão: 8GB de Ram, leitor de Blu-ray mais rápido e um sensor de movimentos embutido no controle, o DualShock 4. O controle do PS4 também conta com sensor touchscreen e um botão para compartilhamento. Em apenas seis meses o console vendeu mais de 7 milhões de unidades. Além disso, nesse período foram vendidas mais de 20 milhões de cópias de jogos para a plataforma.


Um ícone 
A SONY, talvez não seria a mesma sem o WALKMAN, seu produto ícone que ajudou a projetar a marca globalmente. Afinal, muito antes do surgimento do iPod, Zune e outros players portáteis que conhecemos hoje, quem quisesse ouvir música em qualquer lugar usando fones de ouvido utilizava o WALKMAN e as fitas cassetes. A ideia para a criação do WALKMAN veio de Akio Morita, um dos fundadores da empresa. Por viajar muito, ele gostava de ouvir suas músicas preferidas (que eram gravadas em fitas) em qualquer lugar. O problema era que os gravadores da época eram muito pesados e seu hobby se tornava bem desconfortável. Ele então imaginou que muitos jovens tinham o mesmo problema. Assim, pediu a divisão de áudio, então coordenada por Nobutoshi Kihara, que projetasse um pequeno gravador experimental, com fones de ouvidos leves e confortáveis. De acordo com a SONY, o nome WALKMAN foi escolhido por causa da enorme popularidade do Superman na época e por ser baseado no gravador de áudio Pressman. Antes de decidir pelo nome, o aparelho deveria ser chamado Soundabout nos Estados Unidos e Stowaway no Reino Unido.


Quando o primeiro aparelho foi desenvolvido, em abril de 1979, muitos disseram que aquilo não venderia. Mas Morita acreditou na ideia. Os vendedores continuavam sem entusiasmo, até que ele lançou um desafio: se a SONY não vendesse 100 mil aparelhos em dois anos, ele renunciaria à presidência da empresa. Morita ganhou a aposta. O WALKMAN original azul e prateado foi colocado à venda no Japão em 1 de julho e se transformou em um verdadeiro sucesso: cerca de 1.5 milhões de aparelhos foram vendidos em seus dois primeiros anos no mercado, 30.000 somente nos três meses iniciais. Na época de seu lançamento, o WALKMAN custava ¥ 33.000 (R$ 660 atualizados), pesava cerca de 390 gramas e tinha quase o tamanho de um livro. O aparelho foi uma revolução, pois permitia ouvir música “em qualquer lugar e a qualquer hora”, como anunciava o slogan da SONY na época. Mas foi no Reino Unido que a invenção começou a ser aprimorada, ganhando estereofonia e duas entradas para mini fones.


Em março de 2007, a SONY prolongou a marca com o lançamento do NW-A800, primeiro tocador portátil WALKMAN que reproduzia vídeos flash. Após ter perdido uma grande fatia de mercado para outras empresas, a última tentativa da SONY de reviver os leitores de áudio WALKMAN envolveu uma série de telefones móveis centrados em música introduzidos no mercado em 2005 sob a marca Sony Ericsson. O fim da fabricação do WALKMAN original (cassete) foi anunciada no dia 22 de outubro de 2010. Desde seu lançamento no mercado, 385 milhões de unidades do aparelho foram vendidas. Esse número inclui os modelos baseados em fitas cassete, DiscMan (lançado em 1984), MiniDisc (introduzido em 1992) e arquivos digitais como o MP3, transformando o WALKMAN em um dos produtos eletrônicos de maior sucesso da história. O sucesso foi tanto que em 1986 a palavra “walkman” foi incluída no dicionário da língua inglesa Oxford para se referir a aparelhos portáteis similares de reprodução de áudio estéreo.


As lojas-conceito 
Tendo como principal objetivo proporcionar uma experiência diferenciada ao consumidor da marca, a empresa inaugurou sua primeira loja conceito SONY STYLE em 2004 no South Coast Plaza em Los Angeles na Califórnia. Na loja o consumidor poderia ter contato com as tecnologias lançadas pela SONY e acesso a experiências sensoriais que facilitariam o entendimento da conectividade dos produtos, suas funcionalidades e o mundo em alta definição. Nos anos seguintes foram inauguradas outras unidades em endereços privilegiados das cidades de Nova York, Osaka, San Francisco, Barcelona, Berlim, Paris e Buenos Aires. A SONY STYLE, que já tem 200 unidades no mundo todo, chegou ao Brasil em 2008, inaugurando sua primeira loja no Shopping Cidade Jardim em São Paulo. Na loja brasileira é possível conferir não só as novidades mundiais da SONY em exibição como ainda interagir com os produtos em todo o ambiente, potencializando os valores da SONY de tecnologia ligada à emoção.


Os visitantes podem conhecer o mundo HD World Sony através da conectividade entre as televisões de LCD Bravia e os reprodutores de alta definição (HD), como o Blu-ray Player e o Playstation 4. Nesse mesmo espaço, a SONY demonstra como é possível produzir e editar conteúdo em alta definição, utilizando filmadoras Handycam, câmeras digitais Cyber-Shot e os notebooks VAIO. Em um espaço, denominado Bravia, o consumidor tem acesso a todos os modelos dos televisores de LCD com as diversas aplicações de alta definição (HD), como a tecnologia Motion Flow, que origina 240 quadros por segundo – quatro vezes o número existente nos televisores convencionais – ampliando os detalhes e a suavidade da imagem. Há ainda a exposição diferenciada da linha de som automotivo Xplod, micro-system e mini-system, DVDs e Walkmans (MP3 e MP4 Players). Também está presente a linha completa de celulares Xperia, filmes Blu-ray da Sony Pictures e shows Blu-ray da Sony Music. Atualmente a SONY possui oito unidades de suas lojas conceitos no Brasil.


A guerra das mídias 
A SONY desde os anos de 1970 vem apresentando e propondo novas tecnologias ao mercado: ela ficou conhecida por desenvolver mídias para concorrer com outras e propagar as chamadas “guerras de formatos”. A primeira aconteceu nos início dos anos de 1980 quando a empresa propôs a fita BETAMAX para concorrer diretamente com o VHS. No início dos anos de 1990 introduziu o MiniDisc para substituir a fita K7. Atualmente a SONY possui um formato próprio de memória em suas câmeras digitais, o Memory Stick, se opondo a todas outras fabricantes que utilizam cartões compatíveis. A partir de 2005 desencadeou a “batalha” das mídias de alta resolução que iriam suceder o DVD: seu disco Blu-ray competia com o HD-DVD, criado pela Toshiba. Porém, mais uma vez ganhou a batalha, pois o formato Blu-Ray foi adotado como padrão pelo mercado e os mais importantes estúdios de cinema, como por exemplo, Disney, Warner Brothers, 20th Century Fox, MGM, New Line Cinema e Lionsgate.


Campanhas que fizeram história 
Uma das melhores campanhas para marca japonesa foi realizada em 2005 quando a agência de publicidade Fallon de Londres criou uma enorme campanha para o lançamento da linha de televisores LCD SONY BRAVIA. O filme, intitulado Balls, nos mostra uma maneira diferente de comunicar a principal característica do produto: a perfeita reprodução e qualidade de cores. O comercial foi gravado em uma rua da cidade de San Francisco onde 250.000 bolas coloridas brilhantes foram jogadas por uma ladeira abaixo criando um efeito fantástico. O filme ainda conquistou o prêmio de Melhor Uso da Música. A produção foi da MJZ, com trilha arranjada pela Parv Third @ Wave e interpretada pelo sueco (de ascendência argentina) José Gonzales, que regravou um hit da banda sueca The Knife. O sucesso do comercial foi tanto que a mídia espontânea gerada por ele fez a marca SONY com sua linha BRAVIA virarem assunto do momento. Clique aqui para assistir ao comercial.


No ano seguinte, um novo comercial para a linha BRAVIA, voltou a chamar a atenção. O fantástico comercial, intitulado Paint, é uma verdadeira explosão de cores através de 70.000 litros de tinta detonados em uma torre de apartamentos abandonada na cidade escocesa de Glasgow. No comercial um enorme bloco de apartamentos, que serve de tela para explosões multicoloridas de tintas, sofre uma espantosa transformação à medida que explosões controladas são utilizadas para projetar as cores no ar. O anúncio nada mais é do que o reflexo da capacidade dos televisores da linha BRAVIA em recriarem cores verdadeiramente reais e imagens espetaculares, conseguindo reproduzir cores como nenhum outro, como diz seu slogan em inglês “Colour Like No Other”. O comercial, dirigido por Jonathan Glazer e produzido por Simon Cooper, pode ser visto clicando no ícone abaixo.

   

A origem do nome 
A combinação de duas palavras deu origem ao nome da marca SONY. Uma é a palavra latina “sonus” que é a raiz de palavras como som e sônico. A outra é “sonny boy”, uma expressão popular utilizada na época, no Japão, e que significava uma pessoa jovem com um espírito livre e pioneiro. As palavras foram utilizadas para mostrar que a SONY era um grupo composto de pessoas jovens com energia e apaixonadas pela criação ilimitada.


A evolução visual 
O logotipo da marca SONY mudou muito pouco ao longo de sua história. O primeiro logotipo foi registrado em 1955 com a palavra SONY dentro de um retângulo. O logotipo introduzido em 1957 era bem mais legível. Porém, foi somente em 1961, através das mãos do designer japonês Yasuo Kuroki, que o logotipo se tornou muito parecido com o modelo dos dias atuais. Depois as mudanças foram mais brandas. As principais foram em relação ao tamanho e corpo das letras.


Os slogans 
Be Moved (2013) 
Make.Believe. (2009) 
Color.like.no.other. (2005, linha Bravia) 
Like.no.other. (2005) 
It’s not a trick, it’s a Sony. (2003) 
You make it a Sony. (2003) 
Go create. (2001) 
It’s a Sony. (1988) 
Sony - a worldwide brand born in Japan. (1959) 
Research Makes the Difference. (1959)


Dados corporativos 
● Origem: Japão 
● Fundação: 7 de maio de 1946 
● Fundador: Masaru Ibuka e Akio Morita 
● Sede mundial: Tóquio, Japão 
● Proprietário da marca: Sony Corporation 
● Capital aberto: Sim (1958) 
● Chairman: Osamu Nagayama 
● CEO & Presidente: Kazuo Hirai 
● Faturamento: US$ 75.4 bilhões (2013/2014) 
● Lucro: - US$ 1.2 bilhões (2013/2014) 
● Valor de mercado: US$ 18 bilhões (junho/2014) 
● Valor da marca: US$ 8.408 bilhões (2013) 
● Lojas-conceito: + 200 
● Presença global: 180 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Maiores mercados: Estados Unidos e Japão 
● Funcionários: 140.900 
● Segmento: Produtos eletrônicos 
● Principais produtos: Televisores, videogames, câmeras digitais e tocadores MP3 
● Concorrentes diretos: Samsung, LG, Panasonic, Philips, Toshiba, Sharp, Lenovo, Canon, Microsoft, Motorola e Nintendo 
● Ícones: O Walkman, a camera Cybershot e o videogame Playstation 
● Slogan: Be Moved. 
● Website: www.sony.com.br 

O valor 
Segundo a consultoria britânica Interbrand, somente a marca SONY está avaliada em US$ 8.408 bilhões, ocupando a posição de número 46 no ranking das marcas mais valiosas do mundo. Além disso, a SONY é a 94ª maior empresa do mundo (em faturamento) de acordo com o ranking da revista Fortune de 2013. 

A marca no mundo 
A SONY, maior fabricante de produtos eletrônicos do mundo, emprega mais de 140 mil funcionários, tendo seus produtos vendidos em mais de 180 países ao redor do mundo. A empresa possui ainda uma rede com mais de 200 lojas próprias chamadas SONY STYLE. Somente em 2013, a SONY vendeu 18.7 milhões de consoles (incluindo as versões PS3, PS4, PSP e PS Vita) e aproximadamente 39 milhões de smartphones. A empresa japonesa que fatura hoje aproximadamente US$ 76 bilhões (dados de 2013/2014), também atua na indústria do entretenimento sendo proprietária de estúdios de cinema, gravadores de música e canais de televisão. 

Você sabia? 
Walkman e Mini-Disc são marcas registradas da Sony Corporation, assim como o vídeo game PlayStation. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek, Exame e Isto é Dinheiro), jornais (Meio Mensagem e Valor Econômico), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 10/6/2014

8 comentários:

Anônimo disse...

Creio que na sessão dados, os valores não estão corretos.

O lucro da sony não é de 1.1 bilhão de doláres. O faturamento creio que esteja correto, e um lucro deste valor sobre o faturamente, corresponderia a um lucro de 1,4% sobre o valor das vendas da Sony. Quer dizer, uma empresa com a saúde da sony não teria jamais uma margem de lucro tão irrisória.

Este lucro é correspondente a 25% do lucro do Bradesco no ano de 2006. Não tem como está certo. Eu nao sei qual o valor correto, mas esta não é o correto nao.

Outra coisa. A Sony tem um valor de mercado de 43 bilhoes e um faturamento de 70,5. Estes valores não estao corretos. Normalmente o valor de mercado é mais elevado que o faturamento.

Kadu Dias disse...

Os números esão absolutamente corretos. Foram retirados da página oficial da Sony e da revista Fortune. O problema da SONY é o alto custo de produção que reduz muito a margem de lucro. Existem inúmeras matérias na internet em relação a este problema da SONY. E faturamento alto não significa lucro grande, vide os casos da FORD, GM, KODAK e GOODYEAR que possuem enormes faturamentos e prejuízos gigantescos. Em relação ao valor de mercado não está correto a afirmação do valor ser sempre maior ao faturamento. A sony tem pesadas dívidas e problemas com rentabilidade, apesar do alto faturamento. Me coloco a disposição para quaiquer esclarecimentos.

KaduDias
Criador e administrador do Mundo das Marcas

Anônimo disse...

Muy bueno los artigos conpostos de la senadorgo SonY

Marco Alexander disse...

Muito boa a sua matéria! Parabéns e com coerência nos argumentos...

registro de marcas disse...

Efectivamente, las marcas tienen un aspecto que dice relación con "calidad", sea esta buena o no tanto, sin embargo este tema está de la mano con el esfuerzo que ponga el dueño de la marca para que la calidad del producto a servicio sea la mejor de manera de protegerla ya que el prestigio de una marca puede ser dañado con muy poco y más aun existiendo hoy las redes sociales donde todos tienen voz que se escucha en todo el mundo por medio de Internet.

Mj disse...

esse site esta sendo uma luz no meu trabalho, obrigada mesmo

Anônimo disse...

me ajudou muito obrigada

Anônimo disse...

OBRIGADO..