8.5.06

RED BULL


Aumenta a resistência física, acelera a capacidade de concentração e a velocidade de reação, dá mais energia e melhora o estado de espírito. Tudo isso pode ser encontrado em uma simples latinha de RED BULL, a bebida energética que graças, em grande parte, a geniais campanhas de marketing, uma excelente distribuição e um bom projeto de embalagem, conseguiu alcançar um sucesso global. A marca do touro vermelho, famosa pelo slogan “Red Bull te dá asas”, tem como público-alvo os jovens e esportistas, dois segmentos atraentes e igualmente difíceis de lidar. E faz isso como ninguém. Afinal, com um produto pioneiro e um marketing ímpar, a marca se transformou em uma máquina eficiente capaz de faturar muito, mas muito dinheiro.

A história
Tudo começou no início dos anos 80, quando o austríaco Dietrich Mateschitz, hoje proprietário da RED BULL, costumava viajar pelo continente asiático à negócios. Em uma de suas viagens, enquanto executivo de marketing de uma empresa alemã de cremes dentais, descobriu, casualmente, na Tailândia, um líquido que continha, entre outras substâncias estimulantes, altas doses de cafeína e taurina. A bebida chamada “krating daeng” (que significa justamente RED BULL em inglês), e inventada por Chaleo Yoovidhya, era muito popular entre motoristas de táxis, submetidos a jornadas de trabalho extenuantes. Um deles, ao apanhá-lo no aeroporto, garantiu: “um copo disso e seu cansaço vai embora”. Com seu faro para bons negócios, o empreendedor voltou para a Áustria levando uma pequena amostra desses compostos, o apoio de Chaleo Yoovidhya (que faleceu recentemente, no dia 17 de março de 2012) e uma grande ideia na cabeça.


Começou então a árdua tarefa de conseguir a aprovação para comercializar o conteúdo da bebida, pois se tratava de um produto desconhecido com uma dose de cafeína três vezes maior do que um refrigerante comum. Sua visão clara sobre o que fazer e seu conhecimento científico sobre o produto foram muito importantes no desenvolvimento deste novo tipo de bebida. Depois de uma espera de três anos para obter a licença para a fabricação do produto no país, surgia uma bebida energética gaseificada chamada RED BULL, lançada em 1987 no mercado austríaco.


A embalagem teria que diferenciar o produto de outras bebidas. Para tal, contratou uma empresa de alumínio para fabricar latas de um tamanho pequeno, mas especial, com um rótulo de duas cores (azul e prateado), fácil de identificar entre outras embalagens do mesmo tipo nas prateleiras dos supermercados e lojas de conveniência. Uma lata de 250 ml de RED BULL continha 20 gramas de açúcar, 1.000mg de taurina, 600mg de glucuronolactona, 80mg de cafeína e vitaminas do complexo B. A empresa foi a primeira a utilizar no mercado o termo “Energy Drink”. O sucesso foi tão grande, mais de 1 milhão de lata vendidas, que além de chamar a atenção e a curiosidade das pessoas, trouxe algumas dúvidas sobre o novo produto. Por isso, o lançamento de RED BULL foi acompanhado por intensos testes científicos e pesquisas médicas. Todos estes estudos confirmaram os efeitos positivos do produto e a segurança total de seus ingredientes. Em 1989 foi exportado pela primeira vez para Cingapura, e em 1992, para a Hungria. Logo depois já se fazia presente em todos os países europeus. E no final da década a bebida chegou aos Estados Unidos (1997) e ao mercado brasileiro (1998). Somente em 2003 o produto ganhou uma nova versão: o RED BULL SUGAR-FREE (sem adição de açúcar), lançado em 40 países ao redor do mundo.


Em 2008, a marca expandiu seu portfólio para outra categoria de produto pela primeira vez com o lançamento do RED BULL COLA, um refrigerante de cola com ingredientes totalmente naturais (entre eles noz de cola, que tem gosto amargo, grande quantidade de cafeína e folha de coca), sem adição de conservantes e outros aditivos sintéticos. Apesar de mais uma vez ter encontrado barreiras na aprovação das autoridades e comercialização, o novo produto pode ser encontrado na Áustria, Estados Unidos, Rússia, Suíça, Reino Unido, Irlanda e Itália. Ainda neste ano, finalmente RED BULL foi lançado no mercado francês, isto porque, até então só podia ser comercializado em farmácias por causa da substância taurina, e a empresa não queria que o produto fosse vendido ou taxado como “remédio”. Outra novidade da marca, lançada em 2009, como teste de mercado, foi o RED BULL ENERGY SHOT, um energético com altas doses de cafeína e taurina, capaz de dar energia por horas. Ou seja: muito mais cafeína em uma quantidade menor de líquido. Além disso, nos últimos anos a marca vem diversificando suas opções de embalagens com o lançamento das latas de 355ml e 473ml em alguns mercados onde está presente.


Recentemente a empresa anunciou que parte de sua produção virá para Manaus, onde a fabricante de bebidas energéticas investirá R$ 509 milhões em três anos para construir sua primeira fábrica fora da Europa. A nova unidade - a terceira da empresa no mundo - terá capacidade de produção de 64 milhões de litros (ou 206 milhões latas) em seu primeiro ano de funcionamento.


O marketing do touro
Sua fórmula não está protegida por patentes. Todas as grandes empresas do mundo, entre elas a poderosa The Coca-Cola Company, lançaram concorrentes, sem, no entanto, ameaçar a hegemonia da marca RED BULL na maioria dos países onde atua. Mais: a principal sustentação do produto não se encontra em suas difusas propriedades energéticas, sintetizadas no posicionamento “RED BULL revitaliza o corpo e a mente” ou no slogan “RED BULL te dá asas” (“Red Bull Gives You Wings”), traduzido nos 160 países onde a bebida é comercializada. Sua força reside em um marketing agressivo, inovador e surpreendente, dirigido para consumidores jovens, abaixo dos 30 anos. O logotipo dos dois touros vermelhos aparece em campanhas de massa apenas eventualmente. A RED BULL não gosta de dividir patrocínios. Por isso, na Fórmula 1, onde em 2010 e 2011 conquistou os títulos de construtores e pilotos (com o alemão Sebastian Vettel), possui equipes próprias: a RED BULL RACING (conhecida como RBR) e a SCUDERIA TORO ROSSO (conhecida como STR). E na Nascar, categoria de automobilismo mais popular dos Estados Unidos, possui outra equipe, a RED BULL TEAM. No futebol, montou quatro times, um na Áustria (Fussball Club Red Bull Salzburg), um nos Estados Unidos (Red Bull New York), um na Alemanha (RB Leipzig) e mais recentemente outro no Brasil (Red Bull Brasil, confederado na Federação Paulista de Futebol). E no hóquei no gelo possui o Red Bull Salzburg (Áustria).


Mas a preferência é por eventos esportivos exclusivos da marca, necessariamente mirabolantes e que atraiam grandes multidões e a alta atenção da mídia. Pode ser uma prova de mountain bike no interior de Minas Gerais. Ou uma corrida de motocross em uma praça de touros no México. Ou ainda uma corrida de aviões, a RED BULL AIR RACE, única no mundo, nos céus de grandes cidades, como Barcelona ou Budapeste, cujo público sempre supera um milhão de pessoas. Ou até mesmo a RED BULL PAPER WINGS, um campeonato mundial de aviões de papel disputado em três categorias (maior tempo de voo, maior distância e acrobática) acompanhado com entusiasmo por milhares de jovens no mundo, e cujo campeão, por duas ocasiões (2006 e 2009) foram brasileiros, Diniz Nunes e o paulistano Leonard Ang.


A RED BULL também patrocina esportistas importantes que se dedicam à prática profissional de esportes radicais como snowboard, esqui, escaladas, ultraleve, kitesurfing, surfe, Fórmula 1, entre outros. No total, são mais de 600 atletas patrocinados pela empresa em todo o mundo. Além disso, a marca apoia e patrocina atividades como o skating urbano, ciclismo e patinação, praticados por jovens descolados, ou seja, modernos. Um dos garotos propaganda preferidos da RED BULL é o homem-voador Felix Baumgartner. O paraquedista já sobrevoou o Canal da Mancha com uma “Asa Red Bull” na tentativa de bater o recorde mundial de distância (35 km) e saltou do prédio mais alto do mundo, o Petronas Tower (468 metros), na Malásia, sempre vestido com um traje alado. No Brasil, ficou famoso em 1999, quando pulou do Cristo Redentor. O mundo inteiro estampou as fotos das peripécias do aventureiro e consequentemente o logotipo da RED BULL. Exatamente no dia 14 de outubro de 2012 o homem-voador mais uma vez surpreendeu: quebrou a velocidade do som e realizou o salto em queda livre mais alto do mundo (38.867 quilômetros, com queda livre de 4:19 minutos de duração – o salto inteiro durou 9 minutos). O projeto, batizado de RED BULL STRATOS e totalmente patrocinado pela marca, quebrou quatro recordes mundiais: o do salto mais alto, o primeiro homem a quebrar a barreira do som, o voo mais alto à bordo de um balão e o evento mais assistido em streaming de todos os tempos, foram mais de oito milhões de pessoas vendo o feito no Youtube.


Outro exemplo da agressividade da marca no marketing ocorreu em 2008, quando a tradicional Piazza San Marco, em Veneza, na Itália, sofreu uma inundação, e o surfista Duncan Zuur, patrocinado pela RED BULL, “pegou uma onda” na enchente e surfou até a polícia chegar e acabar com a festa. O “feito” ganhou os jornais do mundo inteiro e só na Internet o vídeo foi visto mais de um milhão de vezes.


Outro fator que contribuiu para o sucesso da marca foi a boa e agressiva distribuição do produto, além das ações promocionais de amostragem. Nas faculdades, recrutam estudantes (chamados SBM - Student Brand Manager) para representar a marca junto aos jovens, que são responsáveis por uma área específica do marketing da empresa chamada Consumer Collecting. Dependendo do país, a RED BULL dispõe de carros (geralmente dos modelos VW New Beetle e Mini Cooper) pintados com o logotipo da marca e com uma enorme lata do energético na capota que circulam conduzidos geralmente por estudantes (que fazem parte do MET - Mobile Energy Team) em locais onde os jovens costumam se reunir, para promover e distribuir gratuitamente o produto. A bebida pode ser encontrada também em bares e discotecas, o que não é muito positivo para a publicidade do produto, em virtude da sua associação ao álcool e às drogas. Porém, trata-se de um fato que fugiu completamente do controle da empresa. Por tudo isso, aproximadamente 35% de seu faturamento é reservado para investimentos em marketing.


A marca voando alto
A RED BULL AIR RACE é uma competição eletrizante em que os pilotos mais talentosos do mundo desafiam uns aos outros em uma fantástica corrida aérea de velocidade, onde a precisão e a habilidade são fundamentais. A competição apresenta uma nova e dinâmica categoria de pilotagem conhecida por “Air Racing”, onde o objetivo é seguir uma rota cheia de desafios no céu fazendo o menor tempo possível. Voando sozinhos contra o relógio, os pilotos devem executar giros apertados em um circuito slalom que consiste em mastros ou pilões especialmente projetados, chamados de “Air Gates”. Voar perto do chão a velocidades que podem alcançar até 400 km/h enquanto difíceis manobras são feitas requer uma habilidade imensa que apenas certo número de pilotos no mundo possui. Por isso eles são selecionados a dedo de acordo com suas perícias e experiência. Esses pilotos estão no auge de suas carreiras. E têm mesmo que estar: a competição exige muito de suas habilidades de pilotagem. Para ter uma ideia, eles têm que suportar forças de até 10G. Não há espaço para erros. O que faz o Air Race tão eletrizante e interessante para os espectadores é a proximidade com a multidão. Voos baixos e rasantes em uma rota relativamente compacta dão às pessoas um gostinho da emoção de perto. A criação do Air Race foi idealizada pela RED BULL, que convidou o renomado piloto húngaro Peter Beseynei para ajudar a definir o conceito do evento.


O primeiro RED BULL AIR RACE aconteceu no Air Power em Zeltweg na Áustria em 2003. O evento foi um enorme sucesso. Estava claro que a competição tinha enorme potencial. Os eventos subsequentes aconteceram na Hungria, Inglaterra e Estados Unidos e seguiram uma evolução até chegarem ao formato atual: o RED BULL AIR RACE WORLD CHAMPIONSHIP. A primeira série mundial começou em 2005, acontecendo em sete lugares diferentes do mundo com 10 pilotos aclamados internacionalmente competindo. 11 pilotos participaram da edição de 2006 em 9 localidades internacionais espetaculares, quando o americano Kirby Chambliss ganhou o título de campeão mundial na etapa final em Perth na Austrália. Em 2007 o Brasil ganhou uma etapa tendo a Baía de Guanabara na cidade do Rio de Janeiro como palco da disputa. A última edição da corrida foi disputada em 2010, e a competição deverá retornar em 2014 com novas medidas de segurança.


Se divertindo no ar
A palavra “Flugtag” em alemão significa o “dia do voo”. O primeiro RED BULL FLUGTAG (ou Dia de Voar) aconteceu na cidade de Viena na Áustria em 1992 e não passava de um concurso de geringonças voadoras que eram arremessadas na água. Desde então, o sonho de voar com máquinas caseiras se espalhou pelo mundo. Da Irlanda para os Estados Unidos, da Itália para a República Tcheca, da Alemanha a Portugal e recentemente para o Brasil. É um evento para todos aqueles que amam aventura, têm inspiração, senso de humor e interesse em mostrar suas habilidades e criatividade em invenções através de engenhocas (muitas vezes um misto de carro alegórico com asa delta). A ideia é reunir aventureiros dispostos a encarar o desafio de projetar e construir máquinas voadoras. O que conta é a originalidade, criatividade e desempenho de voo. Até hoje mais de 35 eventos foram realizados com a participação de 300.000 pessoas. O recorde de voo mais longo registrado até agora é de 65 metros.


O templo dos touros vermelhos
Só pode ser louco! É assim, em tom crítico, mas com indisfarçada admiração, que muitos austríacos olham para um dos mais recentes feitos do empresário Dietrich Mateschitz: o HANGAR-7, localizado no aeroporto de Salzburgo na Áustria e melhor tradução da estratégia de marketing da marca RED BULL. Ao olhar para a imponente estrutura elíptica de aço e vidro fica mais fácil entender como o criador da bebida energética RED BULL se tornou o mais famoso morador da cidade desde Wolfgang Amadeus Mozart, nascido há mais de 250 anos. O HANGAR-7 é uma espécie de templo para o culto aos dois touros vermelhos estampados nas latinhas do famoso energético. Para fazer jus ao slogan “RED BULL te dá asas”, a empresa estaciona no HANGAR-7 uma coleção de 17 aviões, entre bombardeiros, caças da Segunda Guerra Mundial e jatos de treinamento, como por exemplo, o B-27 Mitchell, de 1945, todos em perfeitas condições de voo. Aproximadamente 180 mil visitantes passam todo ano pelo local, também para conhecer outras paixões do empresário, como os carros de Fórmula 1 das equipes patrocinadas pela marca, motocicletas alucinantes, exposições de arte contemporânea e apresentações de música ao vivo. Tudo circundado por passarelas de vidro.


O local possui também salas reservadas, atribuindo um lado de exclusividade ao ambiente. Em dois bares futuristas (um deles na cobertura) são servidos coquetéis à base do energético e o restaurante Ikarus recebe os clientes que não se incomodam com a fila de espera de até três semanas por uma mesa. Os pratos mudam a cada mês, de acordo com um programa que prevê um rodízio constante de chefs internacionais renomados e talentosos. Pouco conhecido do público é o HANGAR-8, uma garagem menor onde são recuperados os modelos recém adquiridos pela FLYING BULLS, subsidiária criada especialmente para administrar a frota e organizar a única corrida de aviões do mundo, a RED BULL AIR RACE.


O gênio por trás da marca
Todo este sucesso da RED BULL fez de Dietrich Mateschitz um dos empresários mais ricos do mundo, segundo a revista americana Fortune, cujo patrimônio pessoal atinge US$ 5.3 bilhões. O austríaco, de descendência croata, é um homem que nunca suportou regras e formalidades e teve um desempenho escolar sofrível, tendo concluído o curso de administração de empresas em 10 anos, o dobro do tempo normal. Sua energia era dirigida para os esportes, como esqui na neve, automobilismo e aviação. Sempre com um sorriso estampado nos lábios, a pele bronzeada e a companhia frequente de mulheres bonitas e estrelas do cinema, como Sylvester Stallone e Arnold Schwarzenegger, lhe criaram a fama de “bon vivant”. Criou uma empresa á sua imagem e semelhança.


O sexagenário empresário continua cheio de energia e adepto fanático dos esportes radicais. Sua jornada de trabalho é preenchida por reuniões “com resultados imediatos e tomadas de decisão”. Entre segunda e quarta-feira seu expediente não tem limites de horários. As quintas são reservadas apenas aos assuntos que ficaram abertos nos dias anteriores. “Sextas-feiras são dedicadas à família, aos amigos, esportes e diversão”, afirma ele. De onde vem tanta energia? Ele próprio responde: “Tomo de oito a 12 latas de RED BULL por dia, dependendo de quanto durem os dias e as noites”. Seu espírito pode ser definido como criativo, dinâmico, não conformista, profissional, autocrítico, simpático, autêntico, esperto e singular. Modesto, nem pensar. Chamar a atenção de forma pouco convencional tornou-se sua marca registrada e, conhecendo um pouco mais de perto o funcionamento da empresa criada por ele, paira uma dúvida: se o negócio dele é produzir bebidas energéticas ou ideias mirabolantes.


Dados corporativos
● Origem: Áustria
● Fundação: 1984
● Fundador: Dietrich Mateschitz
● Sede mundial: Fuschl am See, Áustria
● Proprietário da marca: Red Bull GmbH
● Capital aberto: Não
● CEO: Dietrich Mateschitz
● Faturamento: €4.25 bilhões (2011)
● Lucro: €650 milhões (2011)
● Presença global: 164 países
● Presença no Brasil: Sim
● Funcionários: 8.300
● Segmento: Bebidas energéticas
● Principais produtos: Energéticos e bebidas à base de cola
● Concorrentes diretos: Monster, AMP, Burn, Fusion e TNT (Brasil)
● Ícones: O touro vermelho e as vaquinhas de seus comerciais
● Slogan: Red Bull Gives You Wings. (Red Bull te dá asas)
● Website: www.redbull.com

A marca no mundo
O energético RED BULL, que detém 70% do mercado mundial de energéticos, pode ser encontrado em mais de 160 países ao redor do mundo, vendendo mais de 4.63 bilhões de latas (2011) e alcançando faturamento superior à €4.2 bilhões. Somente no Brasil, em 2011, foram consumidas mais de 185 milhões de latas do energético. O consumo per capita na Áustria é o mais elevado do mundo: 14 latas ao ano. Nos postos de gasolina do país a bebida é mais vendida do que a popular Coca-Cola. RED BULL é produzido somente em duas fábricas: uma na Áustria e outra na Suíça. Desde seu lançamento no mercado já foram consumidas mais de 30 bilhões de latas do energético no mundo.

Você sabia?
Apesar do enorme sucesso da marca, a bebida enfrenta resistências em algumas partes do mundo. Isto porque, os possíveis efeitos negativos sobre a atividade física e mental obrigaram o empresário a ter que esperar alguns anos até conseguir a aprovação para venda, em diferentes países. Na Argentina, por exemplo, a bebida é comercializada à força de liminares judiciais, porque as autoridades locais exigem que a fórmula seja alterada para reduzir a quantidade de cafeína. O governo mexicano pede a retirada do termo “energy drink” da embalagem.


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, BusinessWeek, Time e Isto é Dinheiro), jornais (Valor Econômico), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers).

Última atualização em 25/10/2012

14 comentários:

Anônimo disse...

As propagandas exibidas na tv são de péssimo gosto. MAl escritas e desenhadas, sem fundo e pouco estimulantes ao consumo. Sugiro que mudem de empresa publicitária .

Anônimo disse...

eu nao creio que as propagandas naum estejam trazendo resultados positivos para a empresa, apesar do aspecto``pessimo`` como foi dito, eu acho as propagandas bem simples, por[em significativa

Magno disse...

As propagandas são muito loucas é assim q tem q ser simples e direta!!!É por isso q tomo esse negócio!!!

Anônimo disse...

eh, realmente as propagandas sao fracas, ne.... por isso tem 70% do mercado!!!

Anônimo disse...

Concordo com o fato de que não há grande empenho na elaboração da propaganda,porém isso se tornou uma marca.Além disso é um dos slogans de mair fixação!

Anônimo disse...

As propagandas red bull são tão toscas.. sem muito fundamento.. mas ao mesmo tempo; despertam uma curiosidade.. daí se percebe que tomar o Red Bull mexe com a imaginação da juventude.. e move uma grande econômia.. quebra os paradgimas e abre caminhos para o desenvolvimento de mentes super criativas..

BMG disse...

Sem fundamento para uns, "toscas" ou péssimas para outros... A verdade é que, na minha suspeita opinião, a publicidade da Red Bull desperta um sentimento de curiosidade e apelo à imaginação mesmo para os mais dotados nesta matéria.
Ao que todas as empresas fogem caindo no pecado da monotonia e deixando o sal para o pão apenas para facilitar a interpretação dos anúncios na cabeça dos consumidores, o mkt da Red Bull é recheado de inovação e não conformismo, caracterizando a marca como uma lovebrand, qualidade que só às melhores pertence e que mesmo assim necessita de um grande "guarda costas" para a fazer perdurar.Perdida do mercado e à qual muitas empresas desprezam por dar trabalho, a Red Bull opta pela publicidade criativa, divertida e não explicita, que se destaca no mercado, fazendo os consumidores pensar no produto com curiosidade e apelo à descodificação de mensagens que passam na televisão. É um factor que não lembra a muitos pela sua caracteristica irónica, mas uma publicidade que deixa a pensar, MARCA a MARCA na mente do público. Demasiado simples para os que pensam demais. "Red Bull dá-te asaaaaaaas!"

Anônimo disse...

Verdade...A propaganda da Red Bull é muito fraca mesmo(Não sei quem pensa assim??) pois a cada lata de Red Bull vendida ela gera o mesmo lucro que 6 latas de cerveja ou o mesmo que 4 latas de refrigerante!(Pesquisa revista Nielsen)e ainda assim tem gente nos comentários acima que dizem que as propagandas são fracas e toscas...70% de participação no mercado mundial e 67% do mercado Brasileiro em energéticos...IMAGINE SE AS PROPAGANDAS FOSSEM BOAS?? rsrsrs

André disse...

Aida bem que esse cara que está criticando não é publiciário...imagine se fosse.
Vixii, será que ele é? se for, com certeza nunca fez nada de bom....

hahahahah

Anônimo disse...

Na minha opinião as propagandas da red bull são excelentes.Não apelam para os clichês de homens sarados ou mulheres peladas que vemos por aí...São originais e mantém a mesma linha a anos.São inteligentes e focam o público a que se destinam.

Anônimo disse...

Se as propagandas fossem tão ruins como criticam,
será que teriam alcançado tanto sucesso assim?
Até eu queria ter uma criatividade ruim como essa!

Anônimo disse...

Se as propagandas fossem tão ruins como criticam,
será que teriam alcançado tanto sucesso assim?
Até eu queria ter uma criatividade ruim como essa!

osister disse...

Os comerciais são livres de ruidos, ou seja, vc se concentra apenas no produto.
Menos é mais.
No caso, 70% do mercado MUNDIAL.
Analfabetismo funcional é foda...

Mary disse...

As propagandas são criativas e elaboradas a partir das limitações de orgãos que regem, infelizmente, a publicidade e propaganda no Brasil. De acordo com a legislação e pólices constadas em Conar, Conanda e Anvisa essa foi a melhor alternativa para a marca se impor nas mídias. Acredito que sabendo disso elas não seriam tão toscas como citado. Se pra quem comentou poderia mudar e atingir melhor o publico alvo, aconselho sugerirem a marca se baseando nesses milhões de pode e não pode, as idéias vão se afunilando...aposto!